O País – A verdade como notícia

Clubes dos provinciais ainda não aderiram ao licenciamento

O ano 2020 terminou com muitas conquistas para a Federação Moçambicana de Futebol, mas também com desafios que foram deixados para este ano 2021.

Feizal Sidat, presidente da Federação Moçambicana de Futebol, falou dessas conquistas e desafios que a sua instituição foi tendo ao longo do último trimestre do ano passado, na habitual conferência de imprensa que vem realizando de três em três meses, desde que ocupa a cadeira máxima do organismo que tutela o futebol moçambicano.

Dentre as conquistas que conseguiu alcançar no último trimestre de 2020, Feizal Sidat destacou dois deles como os mais importantes, nomeadamente o facto de ter conseguido viabilizar o Moçambola 2021, depois de muitos adiamentos e sucessivos encontros que não davam em nada. Mas um dos encontros, o mais importante, que teve lugar na sede da Secretaria de Estado do Desporto, acabou viabilizando a prova, com uma mão da Federação Moçambicana de futebol, que injectou algum valor para que a prova pudesse acontecer.

Mas também a conquista dos Mambinhas, no torneio da Cosafa, em que afastou selecções renomadas do futebol da região, casos da África do Sul, Zâmbia e Namíbia, para conseguir o primeiro título internacional de selecções de futebol para o país, em provas oficiais.

Feizal Sidat considerou este feito o maior de todos, até porque, para ele, nem a própria organização da Cosafa estaria a espera que Moçambique conquistasse a prova.

Além destas conquistas, muitas outras foram mencionadas, nomeadamente o facto de ter conseguido liquidar em cerca de 70% as dívidas da FMF para com outras instituições, os encontros permanentes que o organismo manteve com outras instituições, casos das associações provinciais, Liga Moçambicana de Futebol, SED, Cosafa, CAF e FIFA, mas também por ter conseguido oferecer a algumas dessas instituições condições condignas para que possam exercer suas actividades, casos das associações da cidade de Maputo, de Gaza e Inhambane, que tem sedes próprias e cedidas pela FMF.

Os desafios passam por continuar a trilhar o mesmo caminho, por forma a garantir que o futebol moçambicano possa crescer ainda mais.

 

Fraca adesão ao licenciamento preocupante

Entretanto, uma das principais preocupações da direcção liderada por Feizal Sidat é a fraca adesão dos clubes das províncias ao Processo de Licenciamento de Clubes, que vai permitir que os mesmos possam disputar os Campeonatos Provinciais.

O presidente da FMF deu como exemplo o facto de Cabo Delgado e Tete terem, até ao momento, apenas uma equipa licenciada, Niassa com duas equipas, Sofala e cidade de Maputo, duas províncias que movimentam muitas colectividades, terem apenas sete equipas licendiadas. “Como serão realizados oc campeonatos provinciais com esses números?”, questiona Feizal Sidat, para quem esta fraca adesão tem que ver com preguiça dos próprios clubes em juntar a documentação exigida, “que nem de difícil apresentação, porque o que queremos é que nos diga onde está localizado, quem é o presidente, apresentar o NUIT, o campo onde vai jogar e os estatutos”, segundo disse Sidat.

Está preocupação é acrescida pelo facto das Associações Provinciais de Futebol estarem autorizadas a iniciar com as competições a partir de 15 de Fevereiro próximo, sendo que a Federação Moçambicana de Futebol apenas aguarda pelos resultados a serem apresentados pela Comissão de Licenciamento para saber quantas e quais são as equipas licenciadas, para depois iniciar com a disputa dos campeonatos provinciais.

 

 

Doze árbitros ascenderam a categoria de internacionais FIFA

À margem do balanço do presidente da FMF foram entregues insígnias a novos árbitros internacionais, sendo dois do Futsal, quatro árbitros principais e seis assistentes de futebol.

O acto foi presidido pelo presidente da Federação Moçambicana de Futebol, Feizal Sidat, acompanhado pelo presidente da Comissão Nacional dos Árbitros de Futebol, CNAF, Norberto dos Santos.

Alguns dos árbitros que receberam insígnias de internacionais FIFA estarão presentes este final de semana em acção, para a terceira jornada do Moçambola 2021, com destaque para o trio feminino que apitou o jogo de abertura do Moçambola e que estará novamente junta no embate entre Liga Desportiva de Maputo e Ferroviário da Beira, nomeadamente Ema Novo, principal, Roda Mondlane e Olinda Augusto.

Para além da Ema Novo, dos árbitros principais destacam-se ainda Lúcio Namaroi, Wilson Muianga e Simões Guambe, enquanto do lado dos assistentes temos Teófilo Mungoi, Venestâncio Cossa, Arsénio Marrengula e Zacarias Baloi.

Receberam ainda as insígnias de árbitros internacionais os dois juízes de futsal, nomeadamente Hilário Amosse e Florêncio Marcarenhas.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos