O País – A verdade como notícia

Circulação condicionada na EN13 entre Ribáuè e Malema

Desde a madrugada de sexta-feira passada que a ligação entre os distritos de Ribáuè e Malema em Nampula está condicionada devido à chuva que fez ceder os pilares da ponte sobre o rio Natete. A ANE está a montar uma ponte metálica para permitir a transitabilidade de emergência.

A Estrada Nacional número 13 liga as províncias de Nampula e Niassa, sendo um importante corredor para o transporte de passageiros e carga. A chuva que cai nos últimos dias já começou a causar estragos na rede viária. Na madrugada de sexta-feira, os pilares da ponte sobre o rio Natete cederam, o que causou a interrupção da circulação de viaturas, para o desespero de muita gente que teve que descer dos carros e autocarros, atravessar a pé para poder seguir viagem noutras viaturas posicionadas na outra margem, para os carros de transporte semi-colectivo de passageiros.

A via alternativa que é usada não oferece boas condições de transitabilidade, como testemunhamos na tarde desta segunda-feira. Com esta realidade, a viagem fica mais longa, sendo que é feita com mais de uma hora comparando com o tempo normal em que se fazia a viagem entre os distritos de Malema e Ribábuè.

“A estrada está toda ela esburacada, com sítios perigosos de se passar, mas não temos o que fazer”, lamenta White José, transportador semi-colectivo de passageiros.

Num carro ligeiro, de baixa suspensão, a caminho de Mandimba, no Niassa,  Adelino Cumbane, teve que se sujeitar ao desvio indesejado para não ficar dias literalmente pendurado na estrada intransitável. “Esta estrada alternativa não está em condições e também me parece perigosa, pelo que ouvi”.

O delegado provincial da Administração Nacional de Estradas, Agostinho Notece,  avançou que está a ser colocada uma estrutura metálica por cima da plataforma da ponte de betão para restabelecer a circulação de viaturas, numa perspectiva de emergência.

O Secretário de Estado na província de Nampula, Mety Gondola, garantiu que em breve a circulação será reposta, atendendo o trabalho em curso e a importância daquela rodovia.

“Esta estrada é bastante estratégica para nós. É uma estrada que alimenta o corredor; faz ligação com a província do Niassa e os países do interland a partir do Malawi, etc, e há muito escoamento da produção que pode ser comprometido se não encontrarmos uma solução mais rápida. Por isso, estamos com um nível de concentração de recursos por forma a repormos o funcionamento desta ponte”.

Só depois do caudal do rio baixar é que será possível analisar a gravidade do problema para uma melhor intervenção na ponte de betão.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos