O País – A verdade como notícia

Chico deixa de ser “locomotiva” e passa a ser “leão”

É o fim do casamento de nove anos que ligava Francisco Muchanga, ou simplesmente Chico, ao Clube Ferroviário de Maputo. Não houve entendimento na hora da renovação do contrato e o jogador optou por seguir seu caminho, deixando para trás os nove anos de verde-e-branco ao peito, onde vezes sem contas chegou a ser o maquinista-mor, capitão da “locomotiva”, que este ano falhou todos os títulos que disputava.

O internacional moçambicano não conseguiu a renovação com os “locomotivas” da capital do país e ruma para outros desafios, nomeadamente para a viznha África do sul, onde vai representar o TS Sporting, da segunda divisão.

Esta saída surge depois do jogador ter mantido encontros com a direcção da sua equipa, nomeadamente com Teodomiro Ângelo, presidente de direcção, e Osvaldo Benzane, vice-presidente. Nesses encontros não houve consensos e o jogador optou por sair.

Falando a um jornal desportivo da praça, o vice-presidente do Ferroviário de Maputo disse que Chico entendera que era chegado o momento para dar outro salto na sua carreira futebolística, tendo pesado a proposta tentadora que o seu novo emblema oferecera e que, por via disso, o Ferroviário não quis fechar-lhe as portas, acabando por aceitar a decisão do internacional moçambicano. “Não há zanga entre comadres”, disse Osvaldo Benzane, ao referido jornal desportivo, deixando espaço para um possível regresso do jogador peculiar para a defesa central “locomotiva”.

“Confirmamos este facto de que a partir da próxima época não vamos contar com o jogador que chegou ao fim do seu contrato e, apesar de todas as tentativas para renovarmos o contrato, não chegamos ao acordo, porque queria de assumir novos compromissos. Não quisemos cortar-lhe as pernas para as suas pretenções e acabamos entendendo o seu ensejo. Estamos a falar de um atleta exemplar, de carácter e frontal”, disse Osvaldo Benzane ao jornal Desafio.

Ademais, esta saída foi facilitada pela direcção do Ferroviário de Maputo, que assegura que o jogador “teve o discernimento de nos pôr a par tudo o que pretendia e como direcção resta-nos felicitar o jogador pelos anos que serviu o clube com zelo e dedicação”. Até porque “prometeu-nos que em Moçambique só representaria o Ferroviário e, quando assim, é as portas sempre estarão abertas se pretender regressar”, assegurou Osvaldo Benzane.
Com a camisola 22, Chico fez dupla com Jeitoso e graças as suas boas prestações no Ferroviário de Maputo, ao longo dos tempos, foi chamado a representar a selecção nacional de futebol, os Mambas, por nove ocasiões, com destaque para as duas últimas aparições, nomeadamente diante do Quénia, em jogo particular em que os Mambas venceram a tangente, e contra Cabo Verde, em Praia, em Novembro, num jogo que terminou com emapte a dois golos.

De Ferroviário de Maputo ao peito, Chico conquistou apenas um título de campeão nacional, nomeadamente em 2015, para além de ter perdido duas taças de Moçambique, em 2014 e 2019, curiosamente na última vez que foi convocado pelo Ferroviário de Maputo, embora não tenha tido oportunidade de se despedir em campo.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos