O País – A verdade como notícia

CCFM inaugura “Metamorfoses debaixo do Trópico”

“Metamorfoses debaixo do Trópico de Capricórnio” é o título da exposição de Francisco Sepúlveda que inaugura hoje, às 18h30, no Centro Cultural Franco-Moçambicano, em Maputo.

O objectivo da exposição que estará patente no Franco até 9 de Setembro é de apresentar o universo mágico e misterioso do artista latino-americano Francisco Sepúlveda, a sua mitologia interior que se mistura com a realidade de dois continentes: América (Latina) e África.
O artista inspira-se na herança cultural do seu Chile natal, assim como nas suas incessantes e numerosas viagens para melhor moldar o seu universo. Da Ilha de Páscoa à Ilha de Robinson Crusoé, da Bolívia à Amazónia, do México a Cuba, da Lituânia aos Balcãs, da Grécia ao Mali… todas essas experiências enriquecem a obra do artista, assim como a descoberta deste novo país que o encanta: Moçambique.

Os críticos abordaram o trabalho do artista falando da ‘’Galáxia Sepúlveda’’, da ‘’paleta dos deuses’’, comparando-o a um ogre voraz e insaciável, que devora os universos para melhor moldar um só: o seu próprio, único, luminoso, fascinante.

As obras deste artista figuram em prestigiosas colecções privadas e públicas de instituições tais como a New York Public Library, em Nova Iorque, a Graphische Sammlung Der ETH, em Zurique, o Centro de Arte Contemporânea de Cordoba, na Argentina, a Biblioteca Nacional de Espanha, em Madrid, a Biblioteca Nacional de França, em Paris, a Biblioteca Municipal de Part-Dieu, em Lyon, o Instituto Cervantès, em Lyon, a Biblioteca Real da Bélgica, em Bruxelas, e a Biblioteca da Catalunha, em Barcelona.

Sepúlveda recebeu o Grande Prémio Azart 2009.

Um olhar latino sobre Sepúlveda

Francisco Sepúlveda nasceu em 1977, em Santiago do Chile, e estuda desenho, pintura e gravura na Escola de Belas-Artes de Santiago e no Atelier Wilfredo Lam, onde explora técnicas experimentais de gravura. Francisco Sepúlveda expõe desde 1995 e viaja muito, expondo regularmente em França, na Suíça, na Alemanha, nos Estados Unidos e na América Latina.
Simultaneamente exuberante, misteriosa e mágica, a obra de Sepúlveda abunda nas referências às suas raízes sul-americanas e às diferentes culturas às quais foi exposto durante as suas viagens pelo mundo.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos