O País – A verdade como notícia

Cavalo do Mar reedita Os sobreviventes da noite de Ungulani ba ka Khosa

O romance Os sobreviventes da noite, da autoria de Ungulani ba ka Khosa, foi reeditado pela Cavalo do Mar. A apresentação aos leitores aconteceu esta quinta-feira, na Cidade de Maputo.

12 anos depois do livro ter esgotado, Os sobreviventes da noite volta a merecer destaque nas livrarias nacionais. A obra literária de Ungulani ba ka Khosa foi reeditada pela Cavalo do Mar e a apresentação pública da nova edição aconteceu no Auditório do Moza Banco, na baixa da Cidade de Maputo.

Na cerimónia restrita, Ungulani ba ka Khosa agradeceu à Cavalo do Mar, pela qualidade de edição, e sublinhou que nenhum país se firma no quadro das nações se não estiver alicerçado à sua cultura através das várias disciplinas que a compõem. A agradecer o gesto do patrocinador da obra, Moza Banco, o autor disse que o apoio à cultura é fundamental e que um livro só existe quando está disponível ao leitor. “Vi na editora do Mbate [Pedro] a qualidade que ele imprime nos livros. Nós passamos a amar os livros antes de os ler, e isso é maravilhoso porque tocamos nos livros e sentimos vivacidade”.

Depois de lançar uma obra literária, Ungulani ba ka Khosa não tem o hábito de voltar a lê-la. No entanto, fascinado pela qualidade da edição da Cavalo do Mar, o autor confessou que voltou a ler Os sobreviventes da noite para saborear, igualmente, o projecto gráfico.

Na cerimónia, Ungulani contou ao público que o livro foi escrito numa espécie de bolsa literária no Distrito de Moamba, Província de Maputo, graças a um cunhado que o emprestou um lap top, numa altura em que esse tipo de aparelho quase que só era usado por funcionários dos bancos. Armando Artur, amigo do autor e apresentador do livro, lembrou-se desse episódio, pois, quando Ungulani ainda escrevia o livro, foi lá visita-lo. “Lembro-me que, quando fui ter com ele a Moamba, um dia desses, de muito calor, encontrei-o de tronco nu. Na verdade, ele próprio parecia um sobrevivente da noite”, brincou o poeta.

Para Armando Artur, todos os livros de Ungulani ba ka Khosa merecem ser editados, pela sua qualidade literária e porque são livros que marcam a literatura moçambicana.

O anfitrião da cerimónia de apresentação da nova edição de Os sobreviventes da noite foi João Figueiredo, em nome do Moza Banco, para quem “Ungulani nos deixa todos orgulhosos pelas suas obras. O Moza Banco quis dizer que sim, que o nosso apanágio é viver a cultura de uma forma muito presente e muito constante”.

No Auditório do Moza Banco, esta quinta-feira, a actriz Ana Magaia, que, segundo Ungulani, “tem a particularidade de pegar num texto e pôr as palavras a vibrarem”, leu algum excerto do livro que, assim, excitou alguns leitores.

Os sobreviventes da noite é um livro intenso, que ficciona a memória da guerra, retratando momentos dramáticos e trágicos, tendo as crianças no centro da narrativa.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos