O País – A verdade como notícia

Candidatos iniciam hoje caça ao voto para a eleição intercalar

O MDM parte para a corrida eleitoral com o objectivo de manter Nampula sob seu domínio, depois de ganhar a gestão da terceira maior cidade do país nas eleições autárquicas de 2013. Para isso, o MDM aposta em Carlos Saíde, um empresário de 48 anos e que já serviu como vereador da Urbanização no executivo de Mahumudo Amurane.

Já a Frelimo entra na disputa para recuperar a cidade que perdeu para o MDM em 2013, tendo apostado em Amisse Cololo, de 58 anos. Além de docente na Universidade Católica de Moçambique, o candidato da Frelimo dirigiu o secretariado da Assembleia Provincial de Nampula e já foi director provincial do Trabalho.

A eleição intercalar de Nampula marca o regresso da Renamo às autárquicas, depois do boicote das quartas eleições de 2013. Para testar a sua popularidade na chamada capital do norte, a Renamo apostou em Paulo Vahanhe, professor de profissão e deputado da Assembleia da República.

O Partido Humanitário de Moçambique volta a apostar em Filomena Mutoropa, a candidata que em 2013 chorou copiosamente quando viu seu nome excluído dos boletins de voto. Os órgãos eleitorais tiveram que anular o processo em Nampula e marcar uma nova eleição, onde saiu vitorioso o candidato do MDM, Mahumudo Amurane.

O partido Acção de Movimento Unido para a Salvação Integral (AMUSI) escolheu o seu líder Mário Muquissince, de 54 anos, para candidato a presidente da terceira maior cidade moçambicana.

A eleição intercalar em Nampula realiza-se três meses depois da declaração do impedimento permanente do edil local, Mahumudo Amurane, assassinado a 4 de Outubro do ano passado. O crime perpetrado em pleno Dia da Paz ainda não foi esclarecido e desconhece-se ainda os suspeitos.

Dos cinco candidatos que concorrem à eleição intercalar em Nampula, três aceitaram prestar declarações na véspera do início da campanha. “Nós temos a nossa máquina política bem afinada para a campanha eleitoral. Gostaria de aproveitar esta ocasião para apelar aos nossos membros e simpatizantes a serem ordeiros durante a campanha eleitoral”, disse Mário Albino Muquissince, Apesar do optimismo, o candidato do AMUSI alega que o processo está a sendo marcado por elementos que propiciam fraude, como o aumento de cadernos eleitorais.

Carlos Saíde, que concorre pelo MDM, disse estar preparado para lutar pela manutenção de Nampula nas mãos do seu partido. “Temos a obrigação de dar continuidade ao manifesto eleitoral do MDM que estava a ser implementado pelo nosso colega Mahumudo Amurane”.

Já Paulo Vahanhe disse estar moralizado porque conhece o terreno e conta com o apoio dos munícipes. Entretanto, o candidato da Renamo também denuncia irregularidades no processo: “Detectamos isso na comparação dos cadernos eleitorais de 2013 e dos actuais. E uma delas é a existência de cadernos de outros distritos na delegação dos órgãos eleitorais da cidade de Nampula”. Na verdade, estas irregularidades já foram denunciadas publicamente pela Renamo, que exigiu aos órgãos eleitorais a sua correcção.

A campanha eleitoral termina no dia 21, três dias antes da votação.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos