O País – A verdade como notícia

Cancro pode matar mais de um milhão de pessoas na África Subsariana

Mais de um milhão de pessoas morrerão de cancro na África Subsariana dentro de oito anos, quase o dobro das mortes verificadas actualmente, alerta um estudo publicado, ontem, na revista científica ‘The Lancet Oncology’, citado pelo Notícias ao Minuto.

O estudo realizado pela Comissão de Oncologia Lancet, composta por especialistas internacionais refere que, se não forem tomadas medidas urgentes, a incidência de cancro na região disparará até 2040 para 1,4 milhão de casos por ano.

O documento destaca que uma em cada sete mulheres corre o risco de desenvolver cancro antes dos 75 anos e que, até 2050, metade dos casos de cancro infantil no mundo ocorrerá em África. Aponta ainda que cerca de 4,2% de todos os novos casos de cancro no mundo no ano passado foram registados na África Subsariana.

Para os especialistas, esses dados são resultado de uma combinação fatal de factores como infecções, exposição ambiental, envelhecimento da população, adopção de estilos de vida ocidentais ou problemas de infraestruturas, falta de pessoal qualificado e instalações de diagnóstico, tratamento e prevenção.

Os especialistas pontam também que, na África Subsariana, os pacientes descobrem o cancro em estágio avançado e apresentam uma alta taxa de abandono do tratamento, em parte devido à falta de conhecimento dos fatores de risco da doença.

O relatório alerta que a esta situação já grave soma-se a pandemia de COVID-19, que tem agravado muitos destes problemas, alerta o relatório.

Segundo dados do Centro Internacional de Investigação do Cancro, publicados em conjunto com o estudo da Comissão, o cancro do colo do útero e o cancro da mama foram os mais frequentes em 2020 nos países da África Subsariana.

O cancro do colo do útero sozinho foi responsável pela maioria das mortes por cancro e a principal causa de morte por cancro entre mulheres em 27 países (sendo o cancro da mama a principal causa de morte por cancro em 21 estados). Além disso, embora existam variações geográficas, quase 14% das mulheres na África Subsariana têm um risco de desenvolver cancro antes dos 75 anos.

Nos homens, o cancro da próstata foi o principal cancro (77.300 casos) em 40 países da região, seguido pelo cancro do fígado (24.700 casos) e cancro colorretal (23.400 casos). Entre os principais problemas nessa área, o relatório cita a falta de programas de prevenção e a baixa participação nos países que os possuem.

A falta de vacinação contra o papilomavírus humano (HPV), as limitações dos sistemas de saúde, o baixo nível de escolaridade e crenças tradicionais são outros problemas apontados no relatório. Doenças infecciosas, consumo elevado de tabaco e álcool em homens e ingestão diária de altas calorias também agravam o problema.

Para melhorar o tratamento do cancro na região, a Comissão sugere acções como o desenvolvimento e financiamento de planos nacionais de controlo do cancro, registos nacionais de casos para melhor planear as acções e a possibilidade de ampliar a cobertura universal de saúde. Propõe também o lançamento de programas-piloto de rastreio e deteção precoce do cancro e a inclusão dos cuidados paliativos como parte integrante e fundamental do tratamento. E, aconselha a criação de programas de formação para médicos e pediatras especialistas no tratamento do cancro, a criação de institutos e comissões de investigação financiadas, o desenvolvendo de colaborações e parcerias internacionais e o investimento em telessaúde.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos