O País – A verdade como notícia

Cair em pé na BAL

Ferroviário de Maputo terminou na 5ª posição a sua participação na Liga Africana de Basquetebol (BAL), prova cujo pano caiu domingo com a consagração do Zamalek do Egipto como grande vencedor. Os campeões nacionais tiveram uma honrosa participação na prova organizada pela FIBA e NBA.

Partiram no anonimato (queixando-se, de resto, de falta de apoio e atenção) para uma “bolha” que dignifica (va) toda uma Nação até pela dimensão internacional que a mesma representa (va).

Patrocinada pela gigantesca e extraordinária NBA, a embrionária Liga Africana de Basquetebol é nada mais nada menos que uma janela de valorização e promoção da modalidade da bola ao cesto em África.

Na majestosa Arena de Kigali, que faz inveja a muitos pavilhões pelo mundo fora, o Ferroviário de Maputo assumia uma relação entre a responsabilidade e honra de fazer parte de uma restrita lista de 12 equipas qualificadas, meritoriamente, para a prova.

Mais: os campeões nacionais tinham, também, a particularidade de serem uma das duas equipas de expressão portuguesa, a par do gigante Angolano Petro de Luanda.

Órfão de parte da estrutura que, em Dezembro de 2019, assegurou a qualificação para a prova e permitiu o encaixe de 4.3 milhões de meticais (70 mil dólares norte americanos) nas eliminatórias havidas em Kigali, Ruanda, Macome precisava operar milagres para que o Ferroviário de Maputo representasse condignamente o país.

Sem Elton Ubisse (reforço cedido pelo Ferroviário da Beira), gémeos Orlando e Ermelindo Novela (transferidos para o Ferroviário da Beira), Pio “Lingras” Matos, David “Mano” Canivete e Octávio Gregório Moliço, havia que encontrar soluções interna e exteriormente para montar uma estrutura equilibrada.

Internamente, os bicampeões nacionais “roubaram” a joia e pérola d’ Politécnica Yuran Biosse, melhor marcador do Campeonato da Cidade, em 2019.

O polivalente foi uma das figuras determinantes, aliás, para que a Politécnica ficasse em terceiro lugar na Liga Moçambicana de Basquetebol, em 2016, e conquista do Campeonato da Cidade (2019) e Taça Maputo (2018).

Lá fora, porque familiarizado com os processos de Milagre “Mila” Macome, o espanhol Alvaro Maso foi uma das quatro escolhas para reforçar a equipa. Maso destacara-se nos “nacionais” de 2017, 2018 e 2019, tendo sido indicado MVP nos dois últimos.

Mais evoluídos, mais experientes, Demarcus Holland (poste alemão-americano),  Adejhi Baru (extremo-poste da Costa do Marfim ) e Miky Kabongo (base internacional pela República Democrática do Congo) completavam o “esquadrão estrangeiro” no ataque a Kigali.

 

REDENÇÃO ENTRE AS CINZAS

Diante do campeão africano de clubes de 1985, Zamalek do Egipto, o Ferroviário de Maputo estava avisado das dificuldades na luta nas tabelas e no “post up”, até porque os egípcios apresentam uma equipa com peso e altura.

Aliás, dominadores, os campeões da primeira edição da Liga Africana de Basquetebol contabilizaram 55 ressaltos contra 34 do Ferroviário de Maputo.

Com muitas trocas defensivas, o conjunto de Milagre “Mila” Macome forçou o Zamalek a cometer muitas perdas de bola (foram 28 “turnovers” no total).

O Ferroviário de Maputo apresentou-se melhor na linha de lances livres com média de 72.7% (oito em 11) contra 61.9% (13 em 21) do seu adversário.

A “boxe score” indica ainda um fraco aproveitamento de 20.1% nos tiros exteriores (cinco tiros certeiros em 24 tentados), sendo que os egípcios ficaram na média de 38.1% (oito concretizados em 21 tentados).

Nos dados estatísticos, há ainda a destacar 28 perdas de bola dos egípcios contra 16 do conjunto moçambicano.

Com um duplo-duplo (24 pontos e 11 ressaltos dos quais nove defensivos e dois ofensivos) Alvaro Maso destacou-se individualmente nos 37:42 minutos na quadra.

O MVP dos “nacionais” de 2018 e 2019 contabilizou ainda sete em três tiros exteriores (42.9% de aproveitamento), sete em cinco na linha de lances livres (71.4%), um roubo de bola e dois “turnovers”.

A segunda e terceira jornadas trouxeram a afirmação. Mais do que isso, trouxeram-nos um Ferroviário de Maputo mais agressivo e consistente defensivamente.

Comecemos do duelo do dia 19 de Maio. Para não variar, Alvaro Maso foi o melhor cestinha da equipa verde-e-branca na vitória diante do Association Sportives des Douanes do Senegal, por 88-74.

O extremo esteve perto de um duplo-duplo com 26 pontos e sete ressaltos durante os 37: 36 minutos em que esteve na quadra.

Os “targets” do Ferroviário de Maputo melhoraram comparativamente ao primeiro jogo, tendo a destacar o domínio na tabela com 46 ressaltos contra 41 dos senegaleses.

Mais: nos lançamentos de campo, o Ferroviário de Maputo apresentou-se, neste jogo, com 40.3% de aproveitamento (27 tiros concretizados em 67 tentados) contra a média de 38.2% (29 tiros concretizados em 79 tentados) do conjunto senegalês.

Mais certeiro na zona dos 6.75 metros, o Ferroviário de Maputo concretizou 13 em 32 tiros exteriores tentados (40.1%).

A Association Sportives des Douanes, essa, teve o seguinte registo: 10 em 32 tiros exteriores, perfazendo um aproveitamento de 31.3%. Cometeu mais “turnovers” (17) contra 14 do campeão senegalês.

A jornada 3 confirmou a presença na elite 8 da Liga Africana de Basquetebol. Orgulhosamente moçambicano, o Ferroviário de Maputo bateu o Groupement Sportif des Pétroliers da Argélia por 86-73.

Basquetebol moçambicano valorizado, colocado entre as oito melhores equipas de África. A diferença esteve na agressividade defensiva e clarividência ofensiva.

Na tabela, “mandou” a equipa moçambicana com 56 ressaltos, mais 17 que os argelinos: 39. 29 lançamentos em 41 tentados conferem, ao campeão moçambicano, uma boa percentagem de 70.7%. Neste quesito, estiveram muito abaixo dos argelinos com seis tiros convertidos em 14 tentados (42.9%).

Fraquinha, a percentagem de tiros exteriores situou-se nos 15.0 % (três tiros concretizados em 20 tentativas), notando-se, aqui, que o Groupement Sportif des Pétroliers esteve melhor: 29.2% (sete em 24 tentados).

Os quartos-de-final colocaram o Patriots Basketball Club (Ruanda) no trilho do Ferroviário de Maputo. O céu sempre foi o limite, pelo que havia claramente expectativas de se atingir as meias-finais na história participação na BAL.

Numa excelente propaganda para o basquetebol, o Ferroviário de Maputo foi eliminado, com honra, ao perder frente ao Patriots Basketball Club, por 71-73.

Sob o olhar atento de Paul Kagame, Presidente do Ruanda, e Emmanuel Macron, estadista francês, os campeões nacionais levaram a decisão do jogo até ao limite.

De resto, este foi um jogo impróprio para cardíacos com algumas decisões polémicas por parte da equipa de arbitragem. A marcha do marcador teve algumas alternâncias, com o campeão moçambicano a ter tudo para vencer com 13 segundos por se jogar, mas um tiro exterior não concretizado fez cair o sonho.

No global, o Ferroviário de Maputo apresentou-se neste duelo com uma excelente média de 85.0% na linha de lances livres (17 lançamentos concretizados em 20 tentados) contra um aproveitamento de 48.0% (13 tiros concretizados em 30 tentados) dos ruandeses.

Muita baixa. É assim como se descreve a prestação ao nível dos tiros exteriores com 20.7% (seis lançamentos convertidos em 29 tentados).

Patriots Basketball Club fez o melhor. Com 13 tiros exteriores certeiros em 30 concretizados, o conjunto ruandês apresentou-se com média de 43.3%.

Há outros elementos de análise na prestação do Ferroviário de Maputo: 22 perdas de bola (mesmos números que o Patriots).

O Ferroviário de Maputo teve domínio na tabela com 51 ressaltos contra 42 do Patriots, 21 assistências e nove roubos de bola.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos