O País – A verdade como notícia

“Cabe aos governos locais decidir sobre agravamento da tarifa de transporte”, diz Abdulai

O ministro dos Transportes e Comunicações remete aos municípios, distritos e províncias a responsabilidade de decidir sobre o agravamento ou não da tarifa de transporte público. Desde a subida do preço do combustível, transportadores de cinco cidades já paralisaram actividades exigindo reajuste da tarifa.

O Governo anunciou a subida do preço do combustível e não tardaram vozes, descontentamentos e manifestações dos transportadores de passageiros, alegando a insustentabilidade do negócio. Aliás, a FEMATRO chegou a dizer que alguns poderiam abandonar a actividade.

A última paralisação foi na Cidade de Tete, mas nas últimas duas semanas, transportadores semi-colectivos de passageiros entraram em greve em cinco capitais provinciais exigindo o agravamento da tarifa.

Houve paralisações em Nampula, Beira, Inhambane, Tete e Cidade de Maputo e o Executivo, que diz saber do problema, sacudiu esta quarta-feira o capote, afastando de si, toda e qualquer responsabilidade de decidir sobre a subida da tarifa.

“Esta questão de subida de preço está a ser gerida. Nós temos estado a acompanhar e a dar os nossos subsídios, como Governo Central, aos poderes locais ao nível da província, a pressão que está haver em torno da subida do preço de transporte distrital e a nível municipal também a gestão está a ser feita da mesma forma”, revelou o ministro dos Transportes e Comunicações, Janfar Abdulai, justificando que se está a efectivar a questão de descentralização em termos de poder. “Nós, como Governo Central, temos estado a acompanhar e dar subsídios.

E o subsídio a que o ministro dos Transportes e Comunicações se refere é um aumento que não seja um fardo para os passageiros. “Meio-termo seria o operador não se sentir desincentivado em pôr o seu meio a operar, mas o cidadão, esse, não pode ficar mais penalizado e daí o diálogo permanente do lado do Governo e agente privado que é o operador é fundamental”, esclareceu o ministro dos Transportes e Comunicações, que acrescentou que as decisões são tomadas pelas assembleias municipais e provinciais de acordo com as condições lá existentes.

Na terça-feira, o Governo provincial de Inhambane decidiu pelo agravamento da tarifa de transporte semi-colectivo de passageiros a partir dia 10 de Abril, um reajuste de 1.5 meticais em cada quilómetro percorrido.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos