O País – A verdade como notícia

Boletim da República passa a ser gratuito em Moçambique

O Conselho de Ministros aprovou, esta terça-feira, um decreto que estabelece que o acesso ao Boletim da República faz parte do serviço público e passa a ser gratuito.

“Como serviço público, o acesso universal e gratuito ao Boletim da República editado e publicado”, pode ser “em formato electrónico” e através das “demais condições da sua utilização”, explicou Inocêncio Impissa, porta-voz do Conselho de Ministros, salientando que o documento aprovado revoga o Decreto n.º 41/2006, de 27 de Setembro.Todos os artigos

O acesso universal e gratuito “compreende a possibilidade de impressão, arquivo e pesquisa dos actos publicados no Boletim de República, no sítio da internet gerido pela Imprensa Nacional de Moçambique”, de acordo com o Inocêncio Impissa.

O Boletim da República é, neste momento, vendido em Moçambique. Porém, com o decreto chancelado esta terça-feira, o Governo pretende inverter a situação.

A aprovação da medida enquadra-se nos esforços do Executivo para aprimorar a implementação da Lei do Direito à Informação (Lei nº.34/2014, de 31 de Dezembro), bem como o fortalecimento do Estado de Direito, acrescentou o porta-voz.

PES ALCANÇA 75% DE REALIZAÇÃO EM 2020 

Reunido na sua quarta sessão ordinária, o Conselho de Ministros apreciou ainda o balanço do Plano Económico e Social (PES) e o Relatório de Execução do Orçamento do Estado de 2020, a submeter à Assembleia da República. Diz que o PES registou um desempenho de 75%.

Os dados que constam do documento indicam que, dos 548 indicadores do PES de 2020, avaliados, 411 (75%) foram executados, dos quais 296 (54%) na totalidade e 115 (21%) parcialmente.

Durante o período em análise, “o país registou uma estabilidade macro-económica interna, caracterizada por aumento da cobertura das Reservas Internas Líquidas, que passaram de 5.8 meses, para 6.0 meses, e estabilidade da inflação, ao se situar em 3.14%, contra 2.78% em igual período de 2019, abaixo dos 6.6%” previstos para o ano passado, disse Inocêncio Impissa.

“A cobrança de receita do Estado no ano transacto foi de 236,321.5 (110,4%) milhões de meticais, dos 214.141,7 milhões de meticais previstos, contra 276,788.2 milhões de meticais de 2019, representando um decréscimo nominal de 14.8%”, ajuntou o porta-voz do Conselho de Ministros.

A despesa total do Estado foi de 337.397,3 (90.2%) milhões de meticais, dos 374.096,6 milhões de meticais previstos, contra 313.621,4 milhões de meticais de 2019, concluiu.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos