O País – A verdade como notícia

Beirute: um lugar histórico na poesia de Craveirinha

O homem que desempenha um papel num acontecimento

histórico nunca compreende o seu significado.

Tolstoi

 

Quem se interessa por Líbano deve saber que há muito tempo que aquele território é alvo de vários interesses. Persas, romanos, otomanos e, mais recentemente, franceses, sírios e israelitas encontraram naquele país asiático um importante espaço para exercerem a sua influência política. Talvez, por isso, ao longo da sua história, os libaneses têm lidado com muita dor e consternação, enquanto tentam construir uma nação ideal.

Um dos momentos mais difíceis para o Líbano aconteceu entre 1975 e 1990. Nesses 15 anos de guerra civil, a opor cristãos e muçulmanos, morreram milhares de  pessoas e grande parte das infra-estruturas locais foram destruídas. Sete anos depois da guerra iniciar, em Junho de 1982, Israel invade Líbano, oficialmente, com a pretensão de acabar com os ataques da Organização para Libertação da Palestina (OLP). Esse movimento, na altura liderado pelo falecido Yasser Arafat, tinha no Líbano apoio das milícias muçulmanas e do exército sírio. Já os israelitas relacionavam-se com as Forças (cristãs) Libanesas, de Bashir Gemayel, que, curiosamente, tendo sido eleito presidente em Agosto de 1982, foi morto dias antes da tomada de posse num atentado à bomba reivindicado por um partido pró-Síria.

Este episódio é usado como pretexto por Israel para que o seu exército se desloque à parte Oeste de Beirute, de maioria muçulmana, oficialmente para evitar qualquer tentativa de desforra em relação à morte de Gemayel. Entretanto, milicianos cristãos libaneses, com o apoio do exército israelita, invadem os campos de refugiados palestinos, em Sabra e Shatila, e massacram milhares de pessoas, entre crianças, mulheres e idosos. Os relatos de corpos amputados e esmagados chocaram a toda gente sensata, inclusive moçambicanos. Por isso, passados 30 anos, a JC Editores salvaguarda a memória dos libaneses que sofreram em 1982 ao lançar, a título póstumo, o livro Tâmaras azedas de Beirute, de José Craveirinha. A obra poética é uma solidariedade em verso do autor para com os libaneses e palestinos que minguaram com as acções dos seus vizinhos israelitas, desde cedo hostis à criação do Estado da Palestina.

Em 31 páginas, o livro de Craveirinha é, igualmente, um acto de repugnância, mais uma vez, contra à injustiça e contra à opressão. Como fez a vida toda, o poeta usa a escrita para denunciar, despertar, consciencializar e, deste modo, exercer a sua expressão na qualidade de cidadão, enquanto homem do mundo. Assim, em Tâmaras azedas de Beirute, José Craveirinha posiciona-se no lado dos que sofrem, criticando veemente a barbárie e as quizumbas orientais no outro lado do planeta. Nesse ofício, logo no primeiro poema, que dá título ao livro, há um sujeito de enunciação vertical, que diz quem são os israelitas invasores que geram terror em território alheio: “Plagiando a ‘blitzkrieg’ dos seus saudosos tempos nazis/ soldados judeus em apropriados dromedários de aço de/ nefastas patas blindadas/ assolam o Líbano/ E MATAM!” (p. 11).

Com efeito, para o autor, a solidariedade poética é uma questão de sensibilidade e honestidade imprescindíveis, por lhe ser impossível resistir calado ao assassínio de crianças na capital libanesa: “Neste papel estarei quite com a minha consciência/ mas as crianças assassinadas terão outra vez vida? (P. 11)”. Certamente que não. Nem os menores voltarão a viver e tão-pouco as balas/ os misseis disparados reconstruirão o que a tragédia destruiu. Esta situação faz com Beirute esteja no livro como um lugar de angústias, no qual a representação do que pode ser desumano está eficientemente sintetizado em artefactos que destroem o amor no limiar da felicidade. Isso é o que nos sugere o poema “Os penúltimos”: “Projécteis de várias estirpes/ ornamentam as corbelhas/ de jovens/ noivos (p. 15).

Quando Craveirinha recorre aos armamentos, nos poemas que compõem Tâmaras azedas de Beirute, em parte, a pretensão crítica é mesmo de exprimir isso: quanto mais sofisticada for uma arma, mais dor irá causar a pessoas inocentes, no caso libaneses e palestinos apoiantes da OLP, para quem dedica toda a sua ternura. E no meio da crise, dos bombardeiros e dos mutilados, atento ao pormenor, Craveirinha não deixa de nos trazer a beleza da capital libanesa retratada na mulher: “As lindas raparigas palestinianas/ são extraordinariamente flexíveis/ agonizantes nas ruinas de Beirute” (p. 12).

Do mesmo jeito que aquelas raparigas aparecem com a beleza incólume nos derradeiros momentos da vida, sendo o centro do universo poético de Craveirinha, Beirute está configurado como espaço histórico, é certo, e, principalmente, como resistência à destruição.

Ao compararmos os eventos aludidos em Tâmaras azedas de Beirute com as explosões do dia 4 deste Agosto, na capital libanesa, fica-se com a sensação de que a história se repete de forma cíclica, afinal o mundo continua a produzir bombas e engenhos dessa natureza. Ora, com Craveirinha observamos, primeiro, que a dor está além dos territórios nacionais. Logo, a solidariedade só pode ser um factor de união. Segundo, Craveirinha revela-nos que os países estão ligados por afecto ou por ódio mais do que se possa imaginar. Por isso mesmo, um episódio distante, aparentemente desligado do nosso contexto, pode-nos trazer muitas surpresas. E viu-se. Uma explosão no Porto de Beirute, no dia 4, tem repercussões em Moçambique quando se fica a saber que as 2,7 toneladas de nitrato de amónio tinham sido encomendadas pela Fábrica de Explosivos de Moçambique (FEM). Aí, os ventos do Oriente passaram a interessar ainda mais os moçambicanos que não deixaram de exagerar ao deduzirem que a carga apreendida há sete anos na capital libanesa poderia ter explodido no Porto da Beira. Mas isso até entende-se. O Idai deixou-nos em alerta máximo em  relação à fatalidade.

No quarto volume de Guerra e paz, de Tolstoi, uma entidade afirma: “O homem que desempenha um papel num acontecimento histórico nunca compreende o seu significado”. Será o caso José Craveirinha, um poeta profético que sonhou com um país que depois existiu? Além de se manifestar contra os invasores do Líbano, terá sido interesse de Craveirinha manter-nos implicados com os libaneses através da literatura? Um revolucionário, defensor da soberania dos povos, dos direitos humanos ou da fraternidade revela-se em relação a Cabo Delgado, Mogadíscio ou a qualquer espaço do planeta. O pensamento de que a dor de qualquer ser humano deve ser sentida como nossa está presente no livro póstumo de José Craveirinha, que, mesmo tendo partido desta para outra dimensão, continua a enviar-nos mensagens sobre ideais e compaixão.

Tâmaras azedas de Beirute não é apenas um livro de 31 páginas, é o jeito como Craveirinha se posiciona em relação aos eventos macabros, resolutamente, como agente activo da oração. O livro de Craveirinha coloca-nos Líbano nos nossos próprios pés, exaltando a liberdade sempre, seja onde for, através de um afecto cada vez mais escasso em tempos de tantos extremos: “Este mísero poema ateu nas catedrais diz:/ Deus esteja convosco ó meus irmãos libaneses de/ Beirute.// Este mísero poema infiel nas mesquitas diz: Salam Aleikum/ Ó meus irmãos libaneses de Beirute”. E mais, num tom conciliador: “(…) Apertai as mãos ó/ concidadãos do Mundo./ Em nome da Bíblia e do Corão largai os morteiros/ e apertai as mãos nas ruas de Beirute” (p. 30 – 31).

 

Num contexto de alta tensão política e social no Líbano, que já resultou em demissões em bloco no governo local, no mínimo, Tâmaras azedas de Beirute, mesmo inspirado na invasão israelita, é um livro actual, sobre “nós no mundo”.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos