O País – A verdade como notícia

Banco Mundial diz que 10% da migração no mundo é causada pela falta de água

Foto: UNICEF

À medida que as alterações climáticas aceleram uma crise mundial de água, espera-se que a variabilidade das chuvas seja uma das forças que contribuem para a migração, de acordo com um novo relatório do Banco Mundial divulgado esta segunda-feira.

O relatório prevê que as cidades do mundo, que recebem migrantes e são agora o lar de 55% da população global, irão enfrentar um número crescente de eventos “dia-zero”, quando as torneiras secarem.

O relatório Ebb and Flow fornece a primeira avaliação global de sempre do impacto da água na migração. Baseia-se na análise do maior conjunto de dados sobre migração interna alguma vez reunido, abrangendo quase meio bilião de pessoas de 189 censos populacionais em 64 países, e vários conjuntos de dados nacionais e globais que foram combinados pela primeira vez.

No Médio Oriente e Norte de África (MENA), onde 60% da população vive em zonas de stress hídrico, o relatório observa que a água é já uma das principais vulnerabilidades enfrentadas pelas pessoas que vivem na região, particularmente as deslocadas por conflitos e as suas comunidades de acolhimento.

O relatório constata que os défices de água estão ligados a 10% do aumento da migração total dentro dos países entre 1970 e 2000. No final deste século, prevê-se que o agravamento das secas afecte cerca de 700 milhões de pessoas. Estes choques climáticos terão um impacto desproporcionado no mundo em desenvolvimento, com mais de 85% das pessoas afectadas a viverem em países de baixo ou médio rendimento. No entanto, muitas vezes, os pobres não se podem dar ao luxo de partir. O relatório conclui que os residentes de países pobres têm quatro vezes menos probabilidades de se deslocarem do que os residentes de países mais ricos.

Globalmente, os choques de água afectam não só o número de pessoas que se deslocam, mas também as competências que trazem consigo. Os migrantes que deixam regiões com menor precipitação e seca frequente possuem geralmente níveis de educação e competências inferiores aos de outros trabalhadores migrantes, o que implica salários significativamente mais baixos e menos acesso aos serviços básicos no seu destino. Isto levanta importantes implicações políticas para as cidades receptoras.

A insegurança hídrica é sentida com mais acuidade pelos milhões de deslocados à força e suas comunidades de acolhimento. A região MENA tem os níveis mais elevados do mundo de deslocação forçada, com uma estimativa de 7,6 milhões de refugiados, dos quais 2,7 milhões estão alojados na região, e 12,4 milhões de pessoas deslocadas internamente fugindo de conflitos prolongados.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos