O País – A verdade como notícia

Banco Mundial apoia criação de seguro para desastres em Moçambique

Banco Mundial disponibilizou 12 milhões de dólares para a criação de um seguro de desastres naturais em Moçambique. A informação foi avançada ontem pela Empresa Moçambicana de Seguros, que diz que, com o valor, estaria em condições de cobrir até quatro milhões de dólares por ano, em caso de danos no país.

Que o país está cada dia mais propenso a desastres naturais não é novidade. Basta que nos recordemos dos estragos que, em 2019, o país teve em Sofala e Cabo Delgado, devido aos ciclones Idai e Kenneth, respectivamente.

Nas duas situações, várias infra-estruturas públicas foram destruídas e o Estado não esteve em condições de lidar de forma atempada. Para reconstrução pós-idai, por exemplo, o Governo precisava de um valor de cerca de dois mil milhões de dólares. Fonte para isso? Doadores e o Orçamento do Estado, um orçamento já pressionado.

Ontem, falando aos deputados da Comissão de Plano e Orçamento, o Presidente do Conselho de Administração da Emose, Joaquim Langa, disse que a solução está na criação dum seguro de Desastres Naturais, a ser pago pelo Estado.

O projecto, na verdade, não é novo e já está a ser desenhado pela própria Emose e pelo INGD, em coordenação com o Ministério da Economia e Finanças. Joaquim Langa adiantou, primeiro, que “não é um seguro barato. Tivemos o apoio, por exemplo, do Banco Mundial, que disponibilizou 12 milhões de dólares para apoiar o seguro e, neste momento, decorrem processos documentais para que Moçambique possa beneficiar-se deste seguro”.

Com o valor dos 12 milhões de dólares, a Emose diz que estaria em condições de cobrir até quatro milhões de dólares norte-americanos em casos de danos no país. “Nós vamos cobrir sempre de acordo com o que estiver disponível.”
Outra proposta que a seguradora avança é a criação de um seguro agrícola. Nada novo, na verdade. Este é também o anseio dos empresários moçambicanos do sector agrícola, que sabem que, com o seguro, o nível de risco baixa e, com isso, o financiamento fica mais barato.

E esta proposta tem muito a ver com a vulnerabilidade do país aos desastres naturais. Por exemplo, com os recentes ciclones, vários campos com culturas foram perdidos e os empresários ficaram de mãos atadas, até porque grande parte das seguradoras disseram que não cobririam danos causados pelas intempéries.

Joaquim Langa, PCA da EMOSE, entende que é preciso que se criem instrumentos que obriguem as seguradoras a fazer este tipo de pacote. E só assim é que se atinge o verdadeiro objectivo de tornar a agricultura a base do desenvolvimento do país.
“Normalmente, são seguros subsidiados e o que temos estado a fazer é tentar um seguro agrícola sustentável e que possa também abarcar os pequenos agricultores. Como disse, não é um seguro rentável, mas é determinante para Moçambique”.

E os deputados entendem ser instrumentos importantes para o país, daí que se mostram abertos a colaborarem no que lhes compete, que é legislar. “Há necessidade de elevarmos a fasquia, porque a lei já prevê o seguro de infra-estruturas, mas, neste momento, abaixo de 5% do património do Estado está assegurado. Temos de fazer isto para que as intempéries não nos apanhem em contramão”, explicou António Niquice.

Sobre a saúde da empresa, a Emose informou aos deputados que, no último exercício económico, canalizou 300 dos 600 milhões de Meticais de lucros aos accionistas, dos quais o Estado detém 70%. De 2017 a esta parte, o volume de negócios tem estado a crescer, anualmente, 16%, sendo que, no ano passado, transacionou negócios em torno de 500 mil milhões de Meticais.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos