O País – A verdade como notícia

Assembleia Municipal de Pemba suspeita que casa protocolar esteja a ser usada para desviar dinheiro

A residência protocolar do presidente do Conselho Autárquico de Pemba pode estar a ser usada para desvio de fundos que são retirados dos cofres do Estado para as obras de reabilitação e apetrechamento da infra-estrutura que está inabitada há mais de 20 anos.

As obras começaram quase no ano 2000, com o presidente Assubugy Meagy, continuaram nos mandatos de Agostinho Ntauli, Sadique Yacub, Tagir Carimo e, agora, foram retomadas por Florete Motarua, actual edil, que decidiu tentar concluir a reabilitação da casa.

“A história da reabilitação da residência protocolar do presidente do Município de Pemba é muito estranha e precisa de ser investigada, porque suspeitamos que esteja a ser usada para retirar dinheiro dos cofres do Estado”, alertou António Macanige, membro da Assembleia Municipal de Pemba pela bancada do Movimento Democrático de Moçambique.

Segundo revelou a fonte, “o edil Sadique Yacub argumentou, dentro da Assembleia, que ia para China comprar todo o material de reabilitação e que as obras seriam realizadas pelos funcionários do município, mas não aconteceu nada. Seguiu o edil Tagir Carimo, nada foi feito e, agora, o actual edil também pediu dinheiro para a reabilitação da mesma casa, mas não estamos a ver nada”.

Outra preocupação da oposição na Assembleia Municipal de Pemba está relacionada com o orçamento do actual edil, Florete Motarua, que vai aplicar mais 17 milhões de meticais para a reabilitação da residência.

“Esse valor é muito alto para uma reabilitação, e até poderia ser usado para  construção e apetrechamento de um edifício de raiz, com um piso, mas o pior de tudo é que, quando fomos ver as obras, encontramos a casa sem janelas nem portas e a cobertura continua a mesma de há cerca de quinze anos”, reclamou Cusaio Valio, membro da Renamo na Assembleia Municipal de Pemba, um dos partidos que reprovou o relatório de contas do apresentado pelo edil, na terceira sessão ordinária do órgão, realizada recentemente.

Devido a fortes suspeitas de desvio de fundos no Município  de Pemba, a oposição na Assembleia Municipal exige ao Conselho Autárquico a apresentação de provas de pagamentos das obras realizadas, e apela para uma investigação criminal do caso.

“O relatório do município confirma, sem especificar a quantia, o desembolso de uma parte dos fundos para a reabilitação da residência protocolar do presidente, mas não apresenta facturas de pagamentos, nem mostra as obras realizadas. Queremos provas de pagamentos e, sendo um problema antigo, pedimos a quem de direito a investigar este caso, que quase todos edis tiram fundos para obras, mas a casa continua na mesma e inabitada”, exigiu António Macanige.

“O País” procurou o presidente do Conselho Autárquico de Pemba, Florte Motarua, e o presidente da Assembleia Municipal, Ferraz Sufo, mas ambos não se mostraram disponíveis para responder sobre a suspeita de desvios de fundos do Estado, através de obras de reabilitação da residência protocolar do edil.

Actualmente, os dois dirigentes vivem em casas pessoais e não há informação oficial se há ou não custos para acomodação dos governantes.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos