O País – A verdade como notícia

Angola reafirma luta contra corrupção e impunidade

O Governo angolano disse, ontem, que acabou a sensação de impunidade no país, reafirmou que a luta contra a corrupção, iniciada em 2017, continua no topo da governação e os resultados do processo estão à vista de todos.

A 26 Setembro de 2017, o general na reserva João Lourenço tomou posse como o terceiro Presidente que Angola conhece desde a sua independência, em Novembro de 1975.

A poucos meses do fim do mandato, o ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República de Angola, Adão de Almeida, considera que o combate cerrado à corrupção, iniciado no mandato de João Lourenço, há quase quatro anos, tem sido feito, não com palavras, mas com acção concreta.

Os resultados estão visíveis aos olhos de todos, acabou a sensação de impunidade, melhorou, substancialmente, a qualidade da despesa pública e aumentou, consideravelmente, o rigor na gestão da coisa pública, afirmou Adão de Almeida.

O dirigente não parou por aí, tendo dito que apoiar o combate à corrupção não é uma opção, é uma obrigação patriótica de cada angolano, daí que a luta contra o mal deve ser de todos.

Adão de Almeida defendeu, outrossim, que, entre os angolanos, o crime de peculato assume particular destaque, mas não esgota o vasto leque de condutas que lesam o erário, corroem os pilares da sociedade e comprometem o normal funcionamento da actividade económica.

O ministro falava terça-feira, em Luanda, numa conferência promovida no âmbito das celebrações dos 43 anos da Procuradoria-Geral da República de Angola, tendo, como pano de fundo, a abordagem sobre a recuperação de activos.

E vincou que a realização da justiça, que se quer plena e efectiva, passa por trazer ao domínio público os bens que dele foram ilicitamente subtraídos.

 

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos