O País – A verdade como notícia

Angola encerra fronteiras e isola-se da região até 2022

Foto: SIC Notícias

Angola encerrou fronteiras terrestres e aéreas com oito países da África Austral. Moçambique está na lista negra deste que é o primeiro país africano a fechar-se após a descoberta da variante Ómicron.

O anúncio da descoberta da variante Ómicron pelas autoridades sul-africanas colocou o mundo em choque e a Europa não demorou a reagir e de forma drástica, encerrando as fronteiras para voos e passageiros provenientes de países da África Austral.

Numa altura em que a Associação Médica sul-africana desdramatiza as informações à volta da estirpe Ómicron, Angola tornou-se o primeiro país africano a fechar-se aos Estados do sul de África.

“O executivo angolano, sob proposta da comissão multissectorial aprovou a implementação da medida encerramento das fronteiras aéreas com a África do Sul, Moçambique, Zimbabwe, Eswatini, Lesoto, Botsuana e Tanzânia”, disse o Ministro de Estado e da Casa Civil, que acrescentou que “a medida começa hoje, 28 de Novembro, e vai até ao dia 5 de Janeiro de 2022”.

Depois deste anúncio do Governo, a companhia de bandeira em Angola, a TAAG, seguiu à risca as orientações e suspendeu os voos.

“Dando cumprimento à determinação do comunicado da Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à COVID-19, que suspendeu as ligações aéreas de passageiros provenientes da África do Sul, Botswana, ESwatini, Lesoto, Namíbia, Moçambique e Zimbabué, a partir das 00h00 do dia 28 de Novembro de 2021, a TAAG Linhas Aéreas de Angola SA informa os seus passageiros e clientes, que estão suspensos a partir das 00h00 do dia 28 de Novembro, todos os voos com destino à Joanesburgo, Cidade do Cabo, Maputo e Windhoek, até novas instruções”.

Mas há uma ressalva. A TAAG anuncia que poderá haver voos especiais para Angolanos que estejam num dos países banidos e que queiram voltar para casa.

“A TAAG informa igualmente aos seus estimados passageiros que se encontram na África do Sul, Namíbia e Moçambique que, em articulação com as autoridades Angolanas, tudo fará para garantir o seu regresso o mais breve possível”.

Dados disponíveis indicam que a variante B.1.1.529 tem pelo menos 32 mutações. Contudo, estudos feitos pelos mesmos cientistas que a descobriram indicam que não há grandes possibilidades de evolução para estado grave para pessoas vacinadas, sendo que as não vacinadas podem ter uma reacção mais adversa.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos