O País – A verdade como notícia

ANC lidera intenções do voto

Decorrem as sextas eleições gerais na África do Sul com 26.7 milhões de eleitores. O ANC, partido no poder há 25 anos, mostra-se favorável para vencer o escrutínio. O DA (Aliança Democrática) poderá continuar como o principal partido da oposição.

O ANC vai receber mais de 60% dos votos nacionais, independentemente da afluência nas urnas, segundo a última sondagem de votos de Ipsos divulgada hoje, um dia antes das eleições.

Estes e outros dados fazem parte do estudo “Pulse of the People” que foi feito em Março e Abril de 2019.
Foram realizadas 3 600 entrevistas domiciliares nos idiomas dos entrevistados selecionados aleatoriamente.

As sondagens de voto sugerem que o Congresso Nacional Africano (ANC) vai continuar a governar o país após 8 de Maio e a Aliança Democrática (DA) continuará a principal oposição de África do Sul.

O ANC tem apoio em todo o país, mas especialmente em Gauteng e KwaZulu-Natal. Os apoiantes da DA estão em maioria em Western Cape e Limpopo.

Independentemente da afluência nas urnas, o ANC é suposto conseguir angariar entre 61% e 65% dos votos a nível nacional.
Por sua vez, a DA é prevista que obtenha entre 17% e 19% dos votos em diferentes cenários de afluência – uma descida dos 22% dos votos que recebeu em 2014.

Os Combatentes da Liberdade Económica (EFF) poderão ganhar entre 10% e 11%, independentemente de qualquer cenário de afluência dos eleitores.

O estudo de Ipsos sugere que caso haja baixa afluência nas urnas, os eleitores do ANC estão comprometidos a votar na mesma e isso significaria o aumento considerável do apoio ao partido.

“Em um cenário de alta participação dos eleitores, o ANC consegue convencer os eleitores, que de outra forma não teriam votado, a sair e participar. Assim, tanto um baixo comparecimento como uma alta participação serão benéficos para o ANC.

“O apoio a outros partidos é menos consistente em vários cenários”, segundo a Ipsos.

O escrutínio sul-africano decorre em meio a frustração popular devido ao fraco crescimento económico que África do Sul tem registado nos últimos anos.

Cerca de 27% da população continua sem emprego e a economia que costumava cresceu em torno dos 4%, na última década reduziu para 2%.

A África do Sul tem também das piores taxas de desigualdade do mundo, havendo um grande fosso entre os ricos e os pobres, o que cria certo nervosismo na sociedade sul-africana, por ver sucessivos Governos do ANC que não conseguem resolver o seu problema.  

Fora do fraco progresso económico, a Africa do Sul tem sido assolado por vários escândalos de corrupção que obrigaram o antigo presidente Jacob Zuma a renunciar ao poder em 2018.
O novo presidente Cyril Ramaphosa tem envidado esforços para limpar a imagem do partido no poder. Caso o ANC, a Aliança Democrática ou os Combatentes da Liberdade Económica vençam as eleições, o plano de expropriação de terra sem indemnização será outro desafio a ser enfrentado com cuidado de não se prejudicar a segurança alimentar.

Os sul-africanos também clamam por melhores condições de energia elétrica, após vários apagões e uma série de greves registadas na ESKOM, empresa estatal de eletricidade que se encontra mergulhada em crise financeira.

 

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos