O País – A verdade como notícia

Ana Namburete apresenta ferramenta cibernética de cuidados pré-natais

Terminou a conversa sobre “A liderança como estratégia e estratégia para a liderança” guiada por Juan Reynolds. Por isso, foi a vez de Ana Namburete, académica e pesquisadora, dissertar sobre “O uso da inteligência artificial nos cuidados pré-natais”. Tratou-se de uma oportunidade única para se saber como funciona os campos principais da inteligência artificial. As investigações de Ana tiveram, no início, um grande apoio do ex-ministro da Saúde, Ivo Garrido, e o que aventurou a jovem investigadora ao campo da inteligência artificial foi o grande desejo de querer trazer ao país algo novo e que beneficiasse a todos.

O gosto pela ciência e pesquisa foram as motivações interiores que fizeram Ana dedicar-se em diversas áreas médicas em todo mundo. Num mundo onde a inteligência artificial cruza caminhos diariamente com a realidade social, Ana Namburete, com apoio de diversos especialistas e pesquisadores do mundo, decidiu desenvolver uma ferramenta cibernética que faz a avaliação do cérebro e reporta os resultados por meio de um documento em PDF. O relatório de resultados pode ser levado às consultas médicas. A ferramenta prevê analisar a saúde de fetos, ainda em fase embrionária, e assim evitar diversas anomalias pós-partos.

A ferramenta pretende ser um equipamento que possa ser muito importante no apoio a mulheres grávidas em zonas rurais, onde os postos de saúde são localizados longe das residências. “Essa ferramenta pode ser utilizada por assistentes comunitários para identificar mulheres grávidas em risco. Neste momento, Gana e Malawi mostraram interesse nessa ferramenta”, disse a jovem pesquisadora.

Refira-se que a ferramenta esta sendo desenvolvida por meio de um financiamento destinado a iniciativas inovadoras para países em desenvolvimento. “Estou interessada em trabalhar aqui em Moçambique. Quero aplicar esta inovação. Sabemos que Moçambique enfrenta complicações no que diz respeito a cuidados pré-natais”, finalizou a pesquisa da Universidade Oxford.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos