O País – A verdade como notícia

Alunos continuam a estudar em salas sem tecto um ano depois do Idai

Um ano após a passagem do ciclone Idai, na cidade da Beira centenas de alunos continuam a estudar em salas de aulas de tecto, que foram destruídas pelo fenómeno. Quando chove, as aulas ficam interrompidas.

O ciclone Idai, que atingiu a cidade da Beira de forma severa no fim da tarde do dia 14 de Março do ano passado, com ventos fortíssimos que chegaram a atingir cerca de 250 quilómetros por hora, e que deixou rastos de mortes e destruição, foi o pior ciclone da última década, na região do sudoeste  do índico. O ciclone afectou toda a região centro do país, onde foram registados mais de 600 mortos, causadas pelos fortes ventos e inundações.

Cerca de 90 por cento da cidade da Beira sofreu com os ventos fortes que destruíram infra-estruturas públicas e privadas. No sector de educação foram destruídas mais de duas mil e quinhentas salas de aulas e grande parte delas ainda não foram reabilitadas, o que deixa milhares de alunos a estudarem em condições deploráveis tal como na escola primária completa da Manga Mungassa, um bairro suburbano da cidade da Beira.  

Devido à falta de tecto, o sol incide directamente sobre os alunos e professores dentro das salas de aulas. A posição dos alunos dentro da sala de aulas é em função da localização do sol.

Apesar das aulas estarem a decorrer em salas sem tectos e nem janelas, existe no meio dos professores e alunos uma enorme vontade de ensinar e aprender.

Já na EPC 12 de Outubro, localizada no bairro de Matacuane, zona cimento, o cenário que se vive pós-Idai é diferente. Para os alunos e professores o Idai contribuiu para melhorar as condições da escola, pois apesar de ainda existirem ali as marcas do ciclone, a EPC 12 de Outubro beneficiou de obras de vulto.

Os alunos da EPC 12 de Outubro estão eufóricos com as condições melhoradas da escola, e, para, a direcçao da escola, a reabilitação da instituição trouxe uma nova dinâmica na transmissão de conteúdos.

Neste ano, de acordo com o sector de educação, cerca de 300 salas de aulas irão beneficiar de uma reabilitação resiliente em vários pontos da província de Sofala.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos