O País – A verdade como notícia

Alta tensão!

Fotos: O País

Quatro jornadas frenéticas, quatro rondas de alta tensão! Luta acesa pelo título, reduzida a dois, luta acérrima pela manutenção. São, pois, os derradeiros metros de uma maratona iniciada a 16 de Janeiro de 2021, na turística vila de Vilankulo. No Complexo Desportivo de Tchumene, domingo, temos um jogo de grande risco entre o líder isolado da prova e o campeão em título: Associação Black Bulls vs Costa do Sol.

Com uma série de jogos complicadíssimos, a começar, claro, pela recepção ao Costa do Sol, a Associação Black Bulls entra para uma etapa de grande pressão na qual não pode, e nem tão pouco, perder pontos sob o risco de morrer na praia! Ou seja, ver o perseguidor Ferroviário da Beira aproveitar uma eventual escorregadela para reduzir a diferença pontual.

Pressionados, os “touros” iniciam as quatro finais diante de um Costa do Sol desencontrado com os resultados (terminou o Moçambola 2019 com 66 pontos, números que não vai a tempo de atingir) cientes de que cada jogo tem a sua história. Há, aliás, uma grandeza (clube com mais títulos em Moçambique) que mesmo não se traduzindo em resultados expectáveis esta temporada tem que ser defendida.

Há um treinador (Artur José Semedo) assumidamente comprometido com a competência e resultados, pelo que entrar na onda de um conjunto embalado está fora de questão.

A Associação Black Bulls terá, por isso, que puxar dos galões de equipa com melhor sequência de vitórias no Moçambola-2021 não só para bater os “canarinhos” como também não trair tudo o que fez de bom na primeira volta. Quatro golos, dois para cada lado, foi o saldo do jogo da primeira volta entre o Costa do Sol e Associação Black Bulls, no relvado sintético dos “canarinhos”.

Rume, aos 25 minutos, e Hammed, no minuto 45, marcaram para os “touros”, enquanto Milton (35′) e Stephane (43′) foram os autores dos golos dos “canarinhos”.

“Déjà vú”! Definitivamente, o Desportivo Maputo parece condenado a viver encostado às cordas! Entra para as quatro últimas jornadas praticamente com o futuro definido: disputar a liguilha de manutenção no Moçambola.

Sábado, no Vale de Infulene, ou melhor, Estádio da Machava, bate-se com um Ferroviário da Beira “super-pressionado” a vencer, até para alimentar o sonho de voltar a conquistar o Moçambola, feito alcançado pela última vez em 2016.

Este é um daqueles duelos entre formações em posições extremas na tabela classificativa: 13º e 2º classificados com 46 e 15 pontos, respectivamente. Números que espelham, claramente, a campanha desastrosa do centenário clube (GDM) mergulhado, para não variar, numa crise financeira e desportiva que atiram-no para o cadafalso. Blindar o futebol do ruído externo é um desafio!

Os “locomotivas” do Chiveve venceram, na primeira volta, por um a zero, num jogo marcado por polémica no lance que deu origem ao golo de Dayo aos 90+5.

No Songo, e com a vitória no horizonte, os “hidroeléctricos” recebem também no sábado o Incomáti de Xinavane que está pressionado a pontuar sob o risco de cair para a zona de despromoção. A União Desportiva do Songo vai procurar capitalizar o factor casa para amealhar mais três pontos e melhorar a sua classificação. Os “hidroeléctricos” derrotaram os “açucareiros” (2-1) na primeira volta.

O lanterna vermelha, Textáfrica de Chimoio, tem uma deslocação difícil domingo a Hanhane, Matola, onde se lhe espera uma Liga Desportiva de Maputo que está a fazer uma campanha tranquila. Os “fabris do planalto” não atiram a toalha ao chão, daí que irão tentar contrariar o favoritismo do conjunto de Dário Monteiro. Em Nacala, e depois de uma derrota com o Costa do Sol, o Ferroviário local bate-se com o de Lichinga, conjunto que já assegurou a manutenção. Mais: está a fazer um campeonato digno de realce, colocando-se entre as seis primeiras posições na tabela classificativa. Vivaldo e Djey foram os autores dos golos que ditaram a vitória do Ferroviário de Lichinga, por 2-0, na primeira volta.

Em modo festivo, até porque assinalou, na quarta-feira, o seu 97º aniversário, o Ferroviário de Maputo recebe o seu homónimo de Nampula, conjunto que roça os lugares de despromoção!  Brindar a sua massa associativa com uma vitória seria “ouro sobre azul” num contexto, claro, de um conjunto sem possibilidades de chegar ao título esta temporada.

Sem margem para erro, o conjunto de Nelson Santos tem que pontuar para não ter que arrastar até às últimas jornadas a decisão de manutenção. O Ferroviário de Maputo, esse, quer vencer para não cair dos lugares de pódio. O Ferroviário de Nampula venceu, na primeira volta, o seu homónimo de Maputo por 1-0 com golo de Salas aos seis minutos.

O aflito Matchedeje de Mocuba joga com a Associação Desportiva de Vilankulo, num embate em que a primeira formação tem que vencer ou vencer.

Os “militares” jogam mais uma cartada importante na luta quase que impossível pela fuga à zona de despromoção, mas terão pela frente uma AD Vilankulo que quer pontuar para melhorar a sua prestação na prova rainha do futebol moçambicano. Na jornada 10, houve registo de um empate a duas bolas no confronto Associação Desportiva de Vilankulo- Matchedje de Mocuba.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos