O País – A verdade como notícia

Almeida Henriques quer cidades inteligentes na CPLP

As cidades são consideradas polos de desenvolvimento económico e envolvimento de pessoas. Por isso, António Almeida Henriques, Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Portugal, considera ser altura das cidades dos países de língua oficial portuguesa tornarem-se inteligentes.

O edil português fala da necessidade de se usar a tecnologia para tornar eficiente a administração das autarquias, visando a melhoria da qualidade de vida de seus munícipes.

75% do consumo global da electricidade é das cidades e um terço do tráfego é causado pela procura de lugares para estacionar, portanto, considera o edil, as cidades devem optimizar  o consumo de energia eléctrica e melhorar a mobilidade.

A governação nas cidades deve ser inclusiva e a democracia participativa. Os munícipes devem participar na gestão das suas cidades e isso é possível com a criação de sistemas de partilha de dados. “As cidades inteligentes simplificam procedimentos, pois nelas, os assuntos são resolvidos num clique”, explicou Almeida Henriques.

O edil deu alguns exemplos de sistemas inteligentes implementados na sua autarquia, tendo destacado a telegestão de água e telemetria (sistemas electrónicos que permitem a gestão de água, desde pagamentos até fugas).

Outro aspecto importante apontado por Almeida Henriques é usar a tecnologia para promover o turismo nas cidades. Criar portais em que o turista possa ter acesso a todos os serviços da cidade, desde a passagem, hospedagem, sistemas de transporte, restauração entre outros.

Na conferência da Moztech sobre “ICities” (cidades inteligentes) Almeida Henriques convidou os gestores dos países de língua portuguesa a fazer da língua um instrumento de união para criação de cidades inteligentes na CPLP.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos