O País – A verdade como notícia

Alice Mabota diz que processo foi mal conduzido e pede absolvição de Khessuajee Pulchand

A advogada do réu Khessaujee Pulchand, trabalhador da Africâmbios, que responde pelos crimes de associação para delinquir e branqueamento de capitais, por alegadamente ter ajudado a lavar 8.5 milhões de dólares de Gregório Leão, a mando de Fabião Mabunda, abriu hoje a sessão de apresentação das últimas cartadas da defesa para salvar a pele dos seus constituintes.

Alice Mabota começou por fazer um enquadramento, para depois dizer que o processo foi mal conduzido e que a presença do réu Khessaujee Pulchand no Tribunal é um erro de instrução que protege o verdadeiro prevaricador, a Africâmbios.

“Não ficou provado que algum dinheiro foi ao bolso de Khessuajee Pulchand e ele nem foi responsável pela contratação das dívidas, por isso ele não deve ser responsabilizado. Não foi chamado o gerente para vir explicar se geria ou não as contas do réu. E não ouvimos nenhum réu a afirmar que entregou o dinheiro a Khessuajee. Que se chame a Africâmbios!”, referiu.

Mais estranho ainda, para Mabota, é o facto de o Ministério Público ter pedido ilibação para Simione Mahumane, também funcionário da Africâmbios, que apresentou os mesmos argumentos que Khessaujee Pulchand, para quem foi sugerida uma penalização próxima à máxima.

“Causa estranheza que o Ministério Público peça a condenação de dois réus e ilibação de um, enquanto os três estão na mesma circunstância. Reitero que o réu Khessuajee não cometeu nenhum crime”, disse Mabota.

A advogada defendeu também não fazer sentido o pedido de indemnização de 2.8 mil milhões de dólares, mais juros de 800 milhões de dólares. Mabota entende que deve ser subtraído o valor dos bens arrestados e os que foram adquiridos pelas empresas.

Diante dos argumentos por si apresentados, Alice Mabota disse não haver dúvidas de que o seu constituinte é inocente e deve ser ilibado.

Em Tribunal, Khessaujee Pulchand disse que, na Africâmbios, teve orientações para abrir uma conta. Julgando que fosse para salário, aderiu ao convite. Depois, mesmo percebendo que a conta era para outros fins, disse que ficou descansado, porque lhe foi dito que era normal que, naquela instituição, os funcionários recebessem dinheiro na própria conta gerida pela empresa.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos