O País – A verdade como notícia

Alfândegas apreendem cinco viaturas de luxo em Manica

As autoridades alfandegárias apreenderam, nas últimas 48 horas, em Manica, cinco viaturas de luxo que circulavam ilegalmente na província. Trata-se de uma Range Rover, modelo Discover, Nissan Navara, Toyota Fortuner, Toyota Hilux e uma camioneta de marca Hino.

Com o descaminho, o Estado perdeu pouco mais de cinco milhões de Meticais que seriam pagos em direitos aduaneiros.

Ulisses Tembe, director das Alfândegas em Manica, que também apresentou um camião de mercadoria diversa, e que estava na rota de contrabando, revelou que os seus operativos têm estado a trabalhar arduamente para colocar ponto final ao fenómeno de contrabando, tanto de viaturas, como de mercadoria.

“Nós temos o Departamento de Investigação e Inteligência, que nos potencia em informação. Temos estado a fazer um trabalho específico e intrusivo, que, apesar de levar muito tempo, traz bons resultados como este”, avançou Tembe, para quem operações de género irão continuar nos próximos dias em Manica.

Esta é a segunda operação de vulto que as autoridades alfandegárias realizam em Manica. A primeira teve lugar em Dezembro do ano passado e resultou, também, na apreensão de cinco viaturas, que somadas a essas cinco recentemente apreendidas, o Estado pode ter sido lesado em pouco mais de 10 milhões de Meticais.

Refira-se que a AT apreendeu, na última quarta-feira, acessórios de viaturas e encerra bombas clandestinas de combustíveis na cidade e província de Maputo, por falta de documentos que comprovam a legalidade da sua importação. Trata-se de 938 jantes especiais de diversas medidas, 1.303 pnéus novos e usados, sete caixas de tampões para jantes, para-choques, óleo lubrificante, entre outra mercadoria de origem estrangeira. A mercadoria retromencionada foi apreendida na Cidade de Maputo.

Numa outra acção similar, na província de Maputo, mais concretamente no bairro Tchumene, foram descobertas e encerradas quatro bombas de combustível que operavam de forma clandestina. No que se refere a primeira acção, aquando da fiscalização, as brigadas da AT solicitaram aos proprietários dos estabelecimentos comerciais, documentos que comprovam a legalidade dos produtos comercializados, uma solicitação que não foi respondida positivamente, dando lugar à apreensão dos mesmos.

Quanto às quatro bombas, pesou para a sua desactivação o cometimento de várias irregularidades, desde a falta do início de actividade, funcionamento com licenças destinadas ao consumo próprio, no entanto, para além de comercializar o combustível sem facturação, não possuíam registo de instalação petrolífera.

Estas acções constam do plano operacional da instituição para o presente ano económico, que passa por aprimorar as fiscalizações e auditorias, por forma a assegurar que toda a mercadoria que circula no mercado nacional seja sujeita ao pagamento de impostos, quer sobre o comércio externo, quer impostos internos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos