O País – A verdade como notícia

Água de Corumana chega ao Grande Maputo a partir de 2019

Naquela que é a sua primeira saída pública enquanto ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, depois de ser nomeado ao cargo em Maio passado, João Machatine visitou, esta quinta-feira, as obras de ampliação da capacidade de armazenamento de água na barragem de Corumana, em Moamba, e de transporte de água para a Cidade de Maputo, Matola, Manhiça e Marracuene, ou seja, zona metropolitana de Maputo, conhecida também como região do Grande Maputo.

O objectivo era de situar em relação aos empreendimentos, cuja finalidade é fornecer água à região metropolitana de Maputo, que desde Janeiro de 2017 vive a escassez de água, devido à redução das reservas no actual fornecedor, barragem dos Pequenos Libombos.

E para que Corumana forneça água a Maputo, Machatine diz que tudo depende da construção da Estação de Tratamento de Sábiè, que deverá arrancar em Julho próximo, entretanto, aguarda-se pela última autorização do Banco Mundial, um dos financiadores. “Devemos considerar que a componente que está ligeiramente atrasada tem a ver com estação de tratamento. O processo encontra-se em avaliação para a obtenção de ‘não objecção’ do Banco Mundial e teremos esta resposta nos próximos dias. Logo a seguir irão arrancar os trabalhos que levarão aproximadamente 20 meses”, explicou João Machatine, para depois dizer que as obras de aumento de comportas da barragem de Corumana vão aumentar a capacidade de armazenamento de água de 720 mil metros cúbicos para 1 400 milhões de metros cúbicos. “Quanto às obras de comportas, o prazo para a sua construção é de 18 meses. O processo de mobilização já iniciou, o empreiteiro está mobilizado e instalado”, disse. Entretanto, com a falta de Chuva, a barragem de Corumana conserva, neste momento, apenas a metade da sua real capacidade.

O valor para as obras de aumento da capacidade desta barragem e o respectivo transporte de água para Cidade de Maputo, Matola, Moamba, Marracuene e Manhiça e está orçado em 250 milhões de dólares, sendo o Banco Mundial um dos principais financiadores. “Isto inclui o aumento da capacidade da albufeira de Corumana, o transporte de água para a região metropolitana de Maputo e a estação de tratamento, como também investimentos nas ligações domiciliárias”, referiu Mark Lundell, director do Banco Mundial para Moçambique.

A água de Corumana será transportada numa distância de 45 quilómetros até à zona da ponte sobre o rio Incomáti, ainda em Moamba, onde estão instaladas condutas adutoras, que vão transportar o líquido ao centro distribuidor da Machava, já na Matola. Enquanto não se concluiu as obras ligadas a Corumana, estão a ser feitos trabalhos de operacionalização de 10 furos para ajudar no fornecimento de água ao Grande Maputo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos