O País – A verdade como notícia

Agricultores de Nampula de costas voltadas com “Sustenta”

Cento e quinze (115) agricultores seleccionados para beneficiarem do programa “Sustenta” ainda não receberam tractores e outros insumos agrícolas em Nampula, três meses depois de terem assinado contratos para o efeito. A situação pode pôr em causa as expectativas do Governo nesta época agrícola.

Delfim Bonifácio é o agricultor de referência no distrito de Larde, parte costeira da província de Nampula. Explora 165 hectares, onde produz gergelim, milho, amendoim e outras culturas de rendimento. O agricultor considerado emergente faz parte de um total de 115 que em Outubro passado assinaram contratos com o Governo para beneficiarem de tractores, sementes, insecticidas, e outros produtos, assim como um fundo de maneio para aumentarem a sua capacidade de produção, através do programa Sustenta, mas até aqui só receberam insecticidas e sementes.

“Cem hectares era para gergelim, já fiz 70, faltam 30 hectares para completar, mas por falta de fundos já estou paralisado. Para além disso, tenho uma parte também que ainda não fiz sacha porque ainda não tenho fundos para complementar esta parte. Sendo assim, estou muito preocupado”.

São inquietações apresentadas ontem ao director provincial de Agricultura e Pescas em Nampula, numa altura em que praticamente restam três meses para o fim do segundo ciclo da época agrícola. “Atraso de recepção de equipamentos agrícolas e valores monetários para o fundo de maneio destinado à alocação de mão-de-obra para a sementeira, sacha, entre outras”, descreveu António Ernesto, um dos agricultores.

Os beneficiários denunciam ainda a baixa qualidade da semente fornecida e o custo exorbitante dos insecticidas e conservantes de sementes. “Claro, está escrito semente, mas estamos duvidosos, se é semente ou é grão”, avançou outro agricultor.

O responsável de Agricultura e Pescas em Nampula, Ernesto Pacule, reconheceu legitimidade das preocupações, tendo explicado que os 115 tractores para Nampula ainda não chegaram, pelas seguintes razões: ao nível do mercado (local) não havia tractores. Esta é a informação que tivemos, mas dentro deste ou próximo mês todos os produtores terão os tractores, segundo o contrato.
Sobre o fundo de maneio que deveria servir para a sacha, assim como a qualidade de sementes, Ernesto Pacule preferiu analisar com outras entidades do governo e só depois disso haverá resposta para os agricultores.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos