O País – A verdade como notícia

Agora é (mesmo) a doer

Foto: BAL

Ferroviário da Beira irá reforçar-se com William Perry, Austin Mofunanya (americano naturalizado nigeriano), Jermel Michele Kennedy e possante Egídio Zandamela na Elite 16 da Liga Africana de Basquetebol, prova a realizar-se de 14 a 16 de Dezembro, em Joanesburgo, na África do Sul.

Contagem regressiva para a última etapa de acesso à pioneira Basketball Africa League (BAL), prova afiliada à gigante, robusta e super-competitiva NBA. Com uma particularidade, pois claro, para o Ferroviário da Beira, a caminhada a Kigali, palco da Elite 16 (fase final), volta a ser feita aqui “pertinho” – Joanesburgo, África do Sul.

Quis o sorteio da Elite 16 havido sábado, em Abidjan, Costa do Marfim, que o Ferroviário da Beira ficasse integrado no Grupo H2 (Divisão Leste), junto do City Oilers (Uganda), Cobra Sport (Sudão do Sul) e o Ulinzi Warriors (Quénia).

E como é que se chega aos 12 finalistas da tão ambicionada prova? O Ferroviário da Beira, tal como os outros 15 conjuntos integrados em quatro grupos de quatro cada (Divisões Leste e Oeste), batem-se entre si numa única volta, sendo que os dois primeiros classificados seguem para a ronda seguinte, onde irão disputar as meias-finais, final e classificativas do terceiro lugar.

Equivale, isto, a dizer que as equipas vencedoras das meias-finais e jogos de atribuição do terceiro lugar irão evoluir, entre Maio e Junho, na magnífica Arena de Kigali, palco da fase final da 2ª edição da Basketball Africa League.

Na “habitué” corrida contra o relógio, até para contornar a falta de provas na Beira, os “locomotivas” do Chiveve projectam alguns jogos de controlo com o Clube Desportivo Municipal da Beira, conjunto que esteve a disputar a fase regional centro de acesso à Liga Moçambicana de Basquetebol (LMB).

No City Arena Inzibio Hall, no Soweto, Joanesburgo, África do Sul, o Ferroviário da Beira projecta ainda pelo menos dois jogos de controlo, uma vez que a viagem está agendada para o dia 28 de Novembro, portanto uma semana antes do arranque da prova qualificativa.

Mas, esta é uma situação que, diga-se, a combativa e rebelde Beira tem superado, ou melhor, passado por cima e alcançado bons resultados. Aliás, o Ferroviário da Beira deve mesmo inspirar-se na velha máxima de Pierre Corneille: “À vaincre sans péril on triomphe sans gloire”. Traduzido, literalmente: “ quando se vence sem risco, triunfa-se sem glória”. Em tempos de crise, e sem grande margem para mobilização de fundos, a escolha de Joanesburgo para acolher a Divisão Leste e não Yaoundé bafejou o Ferroviário da Beira. Sim, até porque, sendo próxima à cidade de Joanesburgo, permite que os custos de deslocação não sejam elevados, quando comparado a Yaoundé, onde teriam que seguir via Etiópia, país que tem estado a ser assolado por uma crise interna já com efeitos nas ligações aéreas.

Mais: há a vantagem do grupo ter estado num hotel acolhedor e com condições para hospedar o mesmo, para além de poder contar com o apoio da comunidade moçambicana baseada na África do Sul.

“A escolha de Joanesburgo tem um significado muito grande para o Ferroviário da Beira, uma vez que o orçamento para esta prova aqui, na África do Sul, não é tão elevado quando comparado às contas de Yaoundé”, começou por explicar Carlos Crispos, vice-presidente do CFB. E acrescentou: “A partir da segunda-feira, vamos iniciar com o quadro de preparação para esta competição.

 

YAOUNDÉ ACOLHE OUTRA FASE

Yaoundé, Camarões, volta a acolher uma prova africana de grande dimensão este ano, depois de ter hospedado o Campeonato Africano de Basquetebol sénior feminino, prova na qual Moçambique, com tanto sacrifício mesmo após tantas glórias que deu ao país, ocupou a 5ª posição após vencer o Egipto, por 69-62.

Com efeito, Yaoundé será palco dos jogos da Elite 16 da Liga Africana de Basquetebol os Grupos da Divisão Oeste G1 e G2 dos quais fazem parte FAP (Camarões) AS Police (Mali), SOA (Costa do Marfim), ASPAC (Benin), AS Salé (Marrocos), SLAC (Guiné), AS Nigelec (Nigéria) e BC Espoir Fukash (RD Congo).

Na Elite 12, os conjuntos que se qualificarem devem bater-se com representantes de Angola, Egipto, Nigéria, Senegal e Tunísia e Ruanda (anfitrião) que se qualificaram automaticamente para a BAL.

Três estrangeiros + Zandamela para atacar BAL

Na fase de apuramento da zona VI, o Ferroviário da Beira passou com distinção com vitórias sobre o Matero Magics da Zâmbia, por, 81-51, e  Roche Bois Warriors das Maurícias, por 132-36. Na derradeira jornada de qualificação, os pupilos de Luiz Hernandez perderam diante dos anfitriões do Cape Town, Tigers, por 85-86.

Os resultados positivos foram celebrados, sim senhor. Há um passo que foi dado para a materialização do objectivo principal.

Mas, há ilações tiradas pelo espanhol Luiz Hernandez. Por exemplo, nas posições 4 e 5, há mesmo que reforçar a equipa que conta com Elton Ubisse (faz parte do cinco inicial), Armando “Nino” Baptista e Nelton Mutabaquere, estes três últimos com poucos minutos na quadra. Macurungo, o capitão da equipa e reserva moral, já não apresenta a mesma frescura do passado quando ajudou o clube a campear em 2012, 2014 e 2017, contabilizando, de resto, pouco tempo na quadra. Nelton Mutabaquere, jovem poste que trocou o Costa do Sol pelo CFB, ainda está em processo de integração e com muitos aspectos por melhorar na abordagem do jogo quer a jogar de cara e de costas para o cesto.

E é mesmo para dar maior agressividade ao conjunto beirense debaixo da tabela que, ao nível interno, o Ferroviário da Beira chegou a acordo com o Costa do Sol para a cedência do poste Egídio Zandamela.

Melhor ressaltador do Campeonato da Cidade, em 2018, Egídio Zandamela vai acrescentar mais peso e altura à tabela do Ferroviário da Beira. O poste, de  2:00m e 110kg, foi preponderante para que os “canarinhos” ocupassem a 2ª posição na Liga Moçambicana de Basquetebol, em 2019, assim como conquistassem, este ano, o Torneio Nutrição na final diante do Ferroviário de Maputo.
Com abertura para contratar três estrangeiros, o Ferroviário da Beira vai apostar novamente no base americano Wiliam Perry e o canadense Jermel Michele Kennedy, pedras de toque na fase de qualificação para Elite 16.

Jermel Michele Kennedy regressa esta quarta-feira à Beira, depois de se ter deslocado ao Canadá para participar nas cerimónias fúnebres da mãe.

Perry tem um contrato com o Ferroviário da Beira até o final desta temporada, tendo apresentado, na fase da zona VI de apuramento à BAL, médias de 40% (10 em 25) nos lançamentos de campo, 41.2% (7 em 17) nos tiros exteriores e 66.7% (6 em 9) na linha de lances livres em 67 minutos na quadra (três jogos).

O fabuloso base americano contabilizou 33 pontos, 12 ressaltos (11 ofensivos e um defensivo), 16 assistências e oito “turnovers”.

O extremo-poste americano naturalizado nigeriano Austin Mofunanya, que já evoluiu nos EUA (NCA), França, Espanha e Iraque, desembarcou na Beira na passada quarta-feira.

 

DIVISÃO OESTE 

Grupo G1:

FAP (Camarões)
AS Police (Mali)

SOA (Costa do Marfim)

ASPAC (Benin)

 

Grupo G2:

AS Salé (Marrocos)

SLAC (Guiné)

AS Nigelec (Nigéria)

BC Espoir Fukash (RD Congo)

 

DIVISÃO LESTE

Grupo H1:

Cape Town Tigers (África do Sul)

New Stars (Burundi)

Kurasini Heat (Tanzânia)

Matero Magic (Zâmbia)

 

Grupo H2:

Ferroviário da Beira (Moçambique)

Ulinzi Warriors (Quénia)

City Oilers (Uganda)

Cobra Sport (Sudão do Sul)

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos