O País – A verdade como notícia

Agi Anlaué entende que estudo de viabilidade da EMATUM podia ter sido feito da melhor forma

Foto: O País

O primeiro declarante ouvido pelo tribunal, esta segunda-feira, na Cadeia de Máxima Segurança da Machava, província de Maputo, foi o antigo director operacional da EMATUM, Agi Anlaué.

Respondendo às perguntas colocadas pelo juiz Efigénio Baptista, Agi Anlaué afirmou que o estudo de viabilidade para a constituição da EMATUM devia ter sido feito da melhor forma, com atenção à adequação dos barcos.

Durante o interrogatório, Agi Anlaué manifestou reservas em relação à adequabilidade da EMATUM e da MAM. No entanto, defendeu que o projecto da ProÍndicus, inicialmente feito, era viável porque respondia às ameaças que se apresentavam na altura e, por isso, protegeria a costa moçambicana. Segundo disse, para o país ter um sistema integrado de protecção, com sistema de satélite e meios em terra era adequado.

Ainda assim, o antigo director operacional da EMATUM não quis afirmar categoricamente se a ProÍndicus era auto-suficiente para a protecção da costa moçambicana. Em vez disso, afirmou que, “sem as alterações que foram feitas, era um projecto que podia funcionar”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos