O País – A verdade como notícia

Agente da PRM detido por tentar extorquir condutor

Foto: O País

Um agente da Polícia da República de Moçambique (PRM) foi detido durante o fim-de-semana pelo Serviço Nacional de Investigação Criminal (SERNIC), acusado de tentar extorquir cinquenta mil meticais a um motorista.

O agente fazia-se acompanhar por dois amigos, quando, durante a madrugada, interpelou um condutor de combustível que saía de um parque na cidade de Maputo, com destino à cidade da Beira, província de Sofala.

“O motorista teria feito uma manobra perigosa na via e o agente usou isso como pretexto. Ele e os seus amigos levaram-no para uma residência no bairro Jardim e, para garantir a sua liberdade, exigiram-lhe 50 mil meticais”, explicou Hilário Lole, porta-voz do SERNIC.

O SERNIC deteve, ainda, dois cidadãos angolanos, de 42 e 50 anos de idade, na posse de notas de dinheiro falsificadas de mais de 16.600 dólares norte-americanos.

Os indiciados trabalhavam em parceria com moçambicanos e sul-africanos e mais um angolano ainda em parte incerta.

“A partir dos cidadãos moçambicanos, eram contactados os angolanos por intermédio dos sul-africanos para a produção dessas notas. Já vinham fazendo ensaios com a moeda nacional que, a princípio, não surtiram efeitos desejados. Eles tiveram sucesso com as notas norte-americanas”.

Um dos indiciados, de 42 anos de idade, diz estar em Moçambique há dois meses, cujo objectivo da vinda é conhecer o país e procurar oportunidades de negócio e, durante este período, esteve alojado em casa de um amigo, também angolano, e diz desconhecer os motivos da sua detenção.

“Eu sou inocente, não sei por que estou aqui neste momento. Eu estava embriagado quando me algemaram e me trouxeram à cela, e só me apercebi disso quando acordei”, contou.

O outro indiciado, de 52 anos de idade, revelou que é casado com uma moçambicana e vive em Moçambique. Não é amigo do outro indiciado e apenas o recebeu na sua casa a pedido de um amigo e diz que nunca percebeu nenhum movimento estranho.

“Eu não sabia desse cofre, eu não sabia que ele falsificava dinheiro, o facto de eu o ter recebido na minha casa não me dá o direito de vasculhar os seus pertences, por isso, para mim, tudo isto é novidade”, defendeu-se o indiciado.

Como passos subsequentes, o porta-voz do SERNIC disse que decorrem procedimentos legais para a responsabilização dos cinco detidos, como também decorrem trabalhos para a localização dos indivíduos que fazem parte da quadrilha acusada de falsificação de moeda.

O porta-voz do SERNIC aproveitou a ocasião para reiterar o combate aos “indivíduos infiltrados na corporação que vestem farda para cometer crimes”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos