O País – A verdade como notícia

“África deve priorizar colectas domésticas para triplicar crescimento”

A África precisa construir economias mais resilientes se quiser ter os recursos para cumprir suas metas e metas de desenvolvimento nas próximas décadas. Isso requer que o continente priorize os esforços de mobilização da receita interna e triplique as taxas actuais de crescimento.
Estas foram algumas das conclusões da Conferência dos Ministros da Comissão Económica para África (CEA), que foi concluída ontem em Marraquexe.

A conferência de uma semana juntou criadores de políticas de quase todo o continente que também foram desafiados a acelerar a digitalização de suas economias como meio de melhorar a eficiência, criar empregos e modernizar sistemas e instituições. 

 Um aumento de 12-20% na arrecadação de impostos pode elevar até US $ 400 biliões e cobrir um longo caminho no financiamento de US $ 600 biliões que a África enfrenta. Mas isso também exigirá prudência fiscal para fortalecer um pacto social entre o governo e seu povo, de acordo com o site de notícias malawiano Zodiakmalawi. 

  Embora a conferência tenha concordado que a digitalização oferece uma oportunidade para aumentar os impostos, bem como maior transparência e melhor governação, eles também foram cautelosos quanto aos seus desafios, em termos de impostos, tornando mais fácil mudar os lucros e converter a perda estimada de US $ 50 bilhões que o continente enfrenta dos fluxos financeiros ilícitos.

A Área de Livre Comércio Continental Africana (AfCFTA) também foi um tema central de discussão, com a iniciativa agora à beira de ser operacionalizada. Isso exige que 22 países ratifiquem o acordo e, durante o evento, a Etiópia o ratificou, elevando o número total para 21 países. 

Recorde-se que Moçambique aderiu à iniciativa no ano passado, quando o Presidente da República esteve em Kigali, na cimeira extraordinária da União Africana.

"O AfCFTA é uma grande oportunidade para acelerar o que tem sido feito bilateralmente com alguns países africanos. Isso ajudará a levar o crescimento a um nível mais alto em uma abordagem de co-desenvolvimento", disse o ministro da Economia e Finanças do Marrocos, Mohamed Benchaaboun, que poderia ser um dos maiores do mundo.   

No entanto, a enormidade dos desafios da implementação do acordo não deve ser subestimada, alertaram os palestrantes.  

A conferência reúne Ministros Africanos das Finanças, Planejamento e Desenvolvimento Econômico ou seus representantes. Este ano foi realizado sob o tema – Política fiscal, comércio e setor privado na era digital: Uma estratégia para a África.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos