O País – A verdade como notícia

Afinal Chiquinho só será apresentado Amanhã

Foto: Olho Clínico

O antigo internacional moçambicano, Chiquinho Conde, só será apresentado esta terça-feira como novo seleccionador nacional, depois do adiamento da cerimónia, que inicialmente estava prevista para esta segunda-feira. Alguns acertos no contrato do técnico só foram terminados esta segunda-feira, o que ditou o adiamento da data do anúncio de Chiquinho Conde como novo timoneiro dos Mambas.

Em cima da mesa está um contrato por objectivos, nomeadamente a qualificação dos Mambas ao Campeonato Africano das Nações, de 2023, que terá lugar na Costa do Marfim.

Mas antes, dois jogos para terminar a fase de qualificação ao Mundial do Qatar, prova para a qual os Mambas já não têm possibilidades de chegar ao play-off de Março próximo, uma vez que segue na última posição, com apenas um ponto, num grupo liderado pela Costa do Marfim, com 10 pontos, seguido dos Camarões, com nove.

A meta, nesta fase de qualificação, é evitar a cauda, devendo para tal vencer os dois jogos que restam, diante da Costa do Marfim e Malawi, para suplantar os malawianos na tabela classificativa, que somam três prontos, frutos da vitória sobre os Mambas.

Assim, o contrato por objectivos deverá ser, numa primeira fase, até 2023, podendo ser estendido em função do alcance das metas.

Recorde-se que Chiquinho Conde substitui no cargo de seleccionador nacional o português Horácio Gonçalves, que tinha como objectivo principal, numa primeira fase, a renovação da selecção nacional, para depois partir para a odisseia da qualificação ao CAN-2023.

Chiquinho Conde é o único jogador que disputou três das quatro fases finais do CAN que o país já disputou, nomeadamente no Egipto, em 1986, África do Sul, em 1996, e Burquina Faso, em 1998.

Francisco Queirol Conde nasceu na cidade da Beira a 22 de Novembro de 1965, e disputou, ao longo da sua carreira 580 jogos e marcou 125 golos. Desses jogos, 98 foram ao serviço da selecção nacional de futebol.

Como jogador iniciou a carreira no Maxaquene, antes de partir para Portugal, onde representou Belenenses, Braga, Setúbal, Sporting, Alverca, Portimonense, Imortal e Montijo, para além do NE Revolution e Tampa Bay, estas duas dos Estados Unidos da América.

Como treinador, Chiquinho Conde comandou clubes nacionais e internacionais, com destaque para Maxaquene, Desportivo, Ferroviário, todos de Maputo, Vilankulo FC e União Desportiva de Songo, seu último clube na pátria amada, antes de partir para orientar a equipa sub-23 do Vitória de Setúbal, entre 2018 e 2020.

Está sem clube desde Junho do ano passado, altura em que terminou contrato com os sadinos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos