O País – A verdade como notícia

Aeroportos de Moçambique não se opõe ao embargo da obra na Beira

A empresa Aeroportos de Moçambique diz que não se opõe ao embargo da obra que estava em construção na sua área restrita na Beira e que o contrato que assinou com um investidor chinês, para o uso do espaço não incluía a obra em causa.

A empresa Aeroportos de Moçambique, para além de não se opor ao embargo acrescentou que está a colaborar com as autoridades de justiça no sentido de clarificar que em nenhum momento autorizou a construção do edifício comercial de dois andares, apontado pela vice-ministra dos Transportes e comunicação, como um obstáculo para a comunicação aérea, que pode contribuir para o desvio de rotas dos aviões e provocar acidentes.

Contudo, a empresa reconhece que firmou um contrato, no ano passado, válido por vinte e cinco anos, com o investidor chinês, referente ao arrendamento do espaço reservado ao VOR, onde foram implantados ilegalmente oito armazéns. Na base do contrato, a empresa recebe anualmente pouco mais de um milhão de meticais.

De acordo com o director da empresa, o contrato não incluía a construção de um novo edifício, neste caso o que foi embargado. A empresa acrescentou ainda que solicitou a intervenção da edilidade.

O Município da Beira já se distanciou e atribuiu culpa aos Aeroportos de Moçambique e garantiu que irá demolir o edifício. O proprietário da obra voltou a mostrar-se indisponível para falar em torno da mesma. Agora resta esperar que o Tribunal Judicial de Sofala esclareça o caso.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos