O País – A verdade como notícia

AEMO defende criação de um prémio literário internacional “José Craveirinha”

A Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO) não concorda com a possibilidade de transformar o prémio literário José Craveirinha em galardão internacional. Entretanto defende a criação de um prémio de âmbito universal.

Falando durante uma entrevista ao jornal O País, no dia 29 de janeiro do ano corrente, Zeca Craveirinha, filho do poeta, disse que é preciso transformar o “Prémio Literário José Craveirinha” em galardão internacional, como homenagem ao seu pai. Uma posição que também veio a ser assumida pela Fundação José Craveirinha, que o mesmo dirige.

O País ouviu, por sua vez, na última segunda-feira, o Secretario Geral da Associação dos Escritores Moçambicanos, que diverge com a ideia, e diz que deve se criar um prémio de caracter internacional porque segundo Carlos Paradona, haveria um vazio no reconhecimento dos escritores Moçambicanos.

“Não me parece que seja certo a transformação de um prémio meramente nacional, para o reconhecimento da carreira literária daqueles que durante vários anos, passaram noites sem fim, a dedicar essa literatura”.

Não concorda com a transformação, mas assume a ideia de se criar um galardão de literatura para o reconhecimento internacional. “A associação dos escritores moçambicanos são por uma criação de um prémio internacional de José Craveirinha”, disse Carlos Paradona, Secretário-geral da AEMO.

Trata-se do maior prémio de Literatura que é atribuído aos escritores moçambicanos em homenagem a José Craveirinha, que se fosse vivo completaria 100 anos de idade em Maio.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos