O País – A verdade como notícia

Adubagem natural beneficia o ambiente e aumenta a produção agrícola

O uso do pó de rocha na agricultura impulsiona a actividade agrícola em cerca de cinco à 50 por cento, em função da aplicação do produto na terra, garantiu António Bizão, um dos participantes da III edição da plataforma Mozgrow.

Este sistema é uma alternativa de fertilizante natural que fortalece a lavoura. António Bizão, especialista em adubação, defende que o uso deste método agrícola é sustentável e barato.

A aplicação deste sistema significa o retorno do período em que a agricultura era bastante produtiva bem como rentável, avançou o especialista, acrescentando que a produção com base na química contraria o ciclo da natureza, explicando que, “até porque este tipo de adubação pode ajudar, entretanto não é sustentável”. Por isso, na busca de novas alternativas, Bizão viu a necessidade de recorrer ao método natural e de fácil acesso.

Uma das principais causas que fragiliza o sistema de fertilização química é o grande consumo de energias fósseis para a produção de alimentos, o que gera questionamento. “Se não houver mais energias fósseis, a humanidade vai perecer”, afirmou Bizão, que explica que por este motivo optou em voltar para as práticas remotas de forma a garantir não, apenas, uma agricultura sustentável, mas, também contribuir para um bom estado do ecossistema a longo prazo.

O especialista agrícola garante que a produção que provem da adubagem do pó de rocha, para além das inúmeras vantagens, é, também, indigesta a pragas por conta da sua composição e dos nutrientes que passa à produção, o que gera uma barreira para que os vermes não destruam as plantações.

António Bizão diz que embora este sistema não seja actual, assegura que é inovador e pode ser um grande aliado para o desenvolvimento da economia local.

De todos os produtores que operam em Moçambique, cerca de 97 por cento são do sector familiar, de todos eles, 95 não usam produtos agroquímicos, o que constitui uma vantagem na aplicação deste sistema, que pode contribuir na redução significativa da agricultura química e empobrece a qualidade do solo, gerando ácido clorídrico que destrói os micro-organismos do solo.

Bizão aponta ainda, a necessidade de o Governo moçambicano implementar o processo de rochagem no país e deixar à disponibilidade da sociedade de forma a criar uma independência agrícola.

O especialista reitera que aplicar este processo, é apostar numa agricultura sustentável e sublinha a grande vantagem dos solos moçambicanos não terem consumido ainda muitos químicos.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos