O País – A verdade como notícia

Absolvida mais da metade dos réus acusados de terrorismo em Cabo Delgado

Mais da metade dos réus acusados de participar dos ataques terroristas em Cabo Delgado foram absolvidos por insuficiência de provas. A informação foi confirmada pelo Tribunal Judicial da província, que já tramitou 11 processos crimes contra supostos membros do grupo armado instalado em Cabo Delgado desde 2017.

“Desde o princípio já foram julgados e condenados cerca de 122 réus e foram absolvidos cerca de 130 réus, portanto este grande número de réus absolvidos fazem parte dos 186 réus do processo 32/2018 que foi o primeiro a ser julgado”, revelou Zacarias Napatima porta-voz do Tribunal.

O elevado número de absolvidos, segundo explicou a fonte,  deveu-se a suposta inexperiência dos órgãos de justiças que nunca havia se confrontado com casos de terrorismo.

“Como se tratou de uma situação que apanhou-nos de surpresa, e nunca tínhamos estado preparados para lidar com crimes desta natureza se não aqueles crimes comuns, fomos ganhando experiência, refiro todos órgãos de justiça, e o serviço foi melhorando e daí para frente houve processos com dados bem instruídos o que fez com que tivéssemos processos bem instruídos”, justificou Zacarias Naptima.

Dos processos crimes relacionados com os ataques terroristas, dos quais oito foram julgados, um foi anulado devido a morte do réu, um sul-africano que em vida respondia pelo nome de Andre Hannekon, que era acusado de financiar o grupo armado. Neste momento restam apenas dois, um dos quais referentes a dois jornalistas da Rádio Comunitária de Nacedje, localizado no distrito de Macomia, que ficaram detidos por mais de 100 dias. Os dois jornalistas são acusados de violação de segredos do Estado e incitação publica a violência.

“O processo já tinha sido pronunciado, mas quando os co réus foram notificados do despacho interpuseram o recurso, que foi remetido ao Tribunal Superior de Recurso de Nampula, e ate a data ainda não baixo, mas os dois jornalistas estão em Liberdade”, explicou a fonte.

Os julgamentos relacionados com os ataques terroristas iniciaram em Outubro de 2018, e os réus foram condenados a penas que variam de 2 a 40 anos de prisão maior pelos crimes contra segurança do Estado, contra organização do Estado, instigação a violência e desobediência colectiva, porte de armas proibidas entre outros.

Entre os condenados, estão homens e mulheres entre cidadãos nacionais e estrangeiros, sobretudo Tanzanianos, Somalis e Burundeses.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos