O País – A verdade como notícia

A vida dos reassentados anda, mas a alma não está tranquila

A vida das cerca de 2100 pessoas reassentadas em Corane/Nampula tende a normalizar-se, mas alguns vivem angustiados por terem os seus familiares nas zonas sob controlo dos terroristas em Cabo Delgado.

Foi o primeiro centro de reassentamento aberto no país para acolher os deslocados internos que deixam as zonas de conflito, em Cabo Delgado, à procura de segurança e sossego. Passam 40 dias após ter iniciado o reassentamento. As tendas disponibilizadas e montadas pelo Governo servem de primeiro abrigo. A instrução é cada família, no seu talhão de 20 por 30 metros, ir construindo uma casa transitória para libertar a tenda para outros necessitados.

Tenta-se reconstruir a vida destruída pelos terroristas nos distritos a norte de Cabo Delgado.

Samine Mahando, vem de Mocimboa da Praia. Há um mês e quatro dias que vive em Corane, com mais três filhos. “Tenho muito interesse em voltar para Mocímboa da Praia”, diz com nostalgia e fundamenta porquê: “deixei muita coisa lá”.

Valoriza o esforço feito pelas autoridades do Governo em Nampula na disponibilização de condições básicas para o recomeçar da vida. Entretanto, não deixa de lamentar o desconforto de dormir na esteira, dentro de uma tenda, cujo chão é a própria tenda. “Há muitos bichos debaixo destas tendas. Escorpiões, maria-café. Peço ao Governo para nos ajudar com colchão ou pelo menos aquelas camas tradicionais”.

Renita António faz parte de um agregado de 7 pessoas. Agradece o acolhimento, mas não esconde a angústia porque parte da família está nas matas de Macomia até hoje. “Já sobressaíram em Macomia-sede, mas estão no mato. Minha mãe está na aldeia Nova Zambézia. Estão no mato por causa do medo do que viram lá no posto administrativo de Chai. Não sei o que faço para essa minha família chegar aqui”.

Manuel Miguel chefia um agregado de cinco pessoas. A cada dia tentam integrar-se no novo lugar. “Desde que chegamos aqui nunca ficamos mal, mas o que nos preocupa aqui é a chuva e vento que ‘arranca’ as nossas tendas”.

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) é que lidera a parte operacional do processo de reassentamento. “Temos stock suficiente para podermos fazer assistência regular, mensal. Sabemos que as famílias querem mais, mas garantimos a ração mensal onde cada pessoa numa família tem 10 kg de cereais; 2 kg de leguminosas e 1 litro de de óleo – isso vamos conseguir realizar, pelo menos nos próximos tempos”, assegurou Alberto Armando, delegado provincial do INGC em Nampula.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos