O País – A verdade como notícia

A validade de um símbolo de unidade nacional

Felizardo Vanica era o cabeça do grupo vencedor do concurso “Poetas distritais de Moçambique”, organizado pelo Centro Cultural Franco-Moçambicano.

Vanica era o Alberto Caeiro de Matsinhane, no distrito de Manjacaze, onde a pastagem e o cultivo da terra continuam a ser os meios de subsistência por excelência. O seu jeito manso, pacato e encantador, trouxe-lhe a alcunha de “Alberto Caeiro”, atribuida pelo ex-professor de português recém chegado do Ribatejo (em Lisboa), que se tornara no único padeiro de Matsinhane.

Felizardo Vanica não era porém averso a metafísica e entendia muito de política e de história política europeia, encorajado por uma biblioteca situada nas instalações da sua igreja, que por algum motivo, tinha uma vasta colecção da história francesa, de A à Z, desde a idade média baixa ao modernismo. Era à hora d’almoço que Vanica passava a "sesta" a ler no cemitério — o único local onde estava certo de que o silêncio era respeitado, mas também porque tinha prazer em ler para os mortos.

– Faltam 4 dias, Vaquinho! – gritou seu vizinho, acenando o “adeus” corriqueiro, pelas 6:30 da manhã, quando Vanica regressava do seu primeiro ofício – a pastagem. E as crianças (levadas pela onda) corriam atrás de Vaquinho, exclamando inocentemente: “faltam 10/4/3/2 dias, Vaquinho!” – em jeito de provocação, para que Vanica desviasse a sua atenção das vacas por alguns segundos e simulasse uma perseguição as crianças.

Finalmente chegou o dia em que aquele madrugar seria o início de uma data histórica para todo o distrito de Manjacaze e quiça da provincia de Gaza. “Alberto Caeiro” iria subir avião pela primeira vez, rumo às terras de Napoleão. Durante o percurso a Maputo, iriam parar em outras localidades para levar outros poetas, igualmente vencedores.

O CCFM achou por bem organizar a viagem para janeiro, para que os viajantes pudessem vivenciar um ambiente totalmente diferente.

Para o constrangimento de Vaquinho, uns tantos dos seus comparsas traziam mantas consigo e andavam pelas ruas de Paris embrulhados nelas. “Epah, parece que manta aqui é só para dormir!” – gozou Vaquinho, apontando para um negro sem abrigo, deitado num banco do Jardim de Luxemburgo.

– A tal de “Mana Elisa” nem bonita é! Afinal de contas, por que tem tantos likes? – desabafou Agostinho.
– Mona Lisa foi inovador no seu tempo. Na altura, a tendência era de pintar perfís e não bustos numa perspectiva frontal. Depois temos aquele sorriso misterioso, namoradeiro e comunicativo dela, que também não era comum ser retratado; a questão da paisagem tornar-se desfocada a medida em que a distância aumenta, é também um conceito inovador nos quadros da epoca … – ia explicando a madame Chateau.

– Aaah, enquadrado na actualidade, aquele quadro não é nada, madame! Desculpe a sinceridade! – continua Agostinho, na sua abordagem pouco contida.

– Pois é, mas nunca se deve esquecer o contexto no qual uma realidade se insere. “Il n'y a pas de hors-texte!” disse Jacques Derrida, hmm? – pergunta que se manteve retórica por conta de Vaquinho que beliscou Agostinho a tempo.

Vaquinho pediu que lhe levassem à Rue de la Ferronnerie, onde o seu herói francês foi assassinado. Aquele que, tal como o seu herói moçambicano (Eduardo Mondlane), por razões distintas, era tido como símbolo de unidade nacional.

A boa diferença entre os franceses e os bons costumes da ética e etiqueta moçambicanas é que, embora a cabeça de Eduardo Mondlane fosse também valiosa, em caso algum seria leiloada – literalmente – como foi o caso do Rei Henri IV, ainda que de “mero” crâneo se tratasse.
Fim

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos