O País – A verdade como notícia

A sedutora Belga

A vidraça cristalina permitia descobri-la a partir do lugar onde me encontrava sentado, também alguns subsídios luminosos na ordem de uns tantos luxes faziam com que ela cintilasse.

O seu brilho foi o grande chamamento, despertou-me, fui arrebatado pela beleza que ela emanava, venci a timidez que me era característica e reforçado pela cumplicidade nocturna pedi para que o servente a chamasse.

A vontade de tê-la por perto medrava a medida que ela se aproximava acompanhada pelo servente.

Quando chegou olhei-a mumificado, sem saber o que dizer, ela trajava uma saia branca com fundo vermelho e adornos dourados e na parte superior tinha um véu branco que lhe cobria o rosto. Emitia uma beleza peculiar que a distinguia das demais. A frescura que ela exalava animava-me e a alcova que o lugar oferecia constituía tudo o que precisava para me entrosar com ela.

A apreciação unilateral durou o tempo suficiente de perceber que ela era humilde e este sentimento conferiu-me a ousadia de descobrir-lhe o semblante.

Beleza sublime que me convocou para um êxtase sem igual, divaguei perdidamente por um mundo onírico onde ela era a minha princesa.

Era de origem belga e estava em Moçambique a pouco tempo e já tinha um grandíssimo grupo de admiradores e pretendentes.

A cara dela não me era estranha já a tinha visto amiúde em muitos lugares da cidade de Maputo, sempre impondo seu charme em cada lugar que habitava.

Não demorei a confirmar que eu era seu novo apaixonado e que lhe seria eternamente fiel, pisquei-lhe o olho e ela continuou serena.

Senti que uma tácita relação de intimidade surgira entre nós, segurei-a com a mão direita senti a frescura do seu corpo serpenteando o meu ser, fiquei domado pela sua sumptuosidade. Prontos ela acabava que me possuir sem dizer uma única palavra.

Era a primeira vez que eu me enamorava por uma estrangeira, fora sempre fiel às cá da terra, mas esta forasteira usurpava minha alma.

Depois de confirmada à vontade mútua de nos possuirmos, levei-a aos meus lábios e beijei-a profusamente, toda a minha paixão ficou selada naquele acto, estabeleceu-se um contacto supremo entre nós como se ambos tivéssemos vivido antes esta relação que acabava de se iniciar. A continuidade amorosa ia-se cimentando com beijo atrás de beijo.

A música que se fazia ouvir metamorfoseou-se com a minha embriagues e solícito levei-a a pista, evoluímos na dança, sempre a segurando firme com a mão direita por vezes a beijava e experimentava uma nova frescura dos seus lábios e assim ia sucando a essência áquea e o sabor lupo-mate que ela emanava e conferia em mim uma prazerosa sensação governando intrinsecamente todo o meu ser.

Voltamos à mesa e as diligências para nos conhecermos melhor aumentava, eu com o meu olhar usurpador e ela ali sempre fresca para mim.

Experimentei uma leveza concedido pela sua levedura que fomentava em mim uma animação incomum mas estava grato por conhece-la.

Os meus comparsas de paródia que estavam nas proximidades acompanhadas de duas nativas falavam animados. O ruído das suas gargalhadas por vezes roubava o conluio que se operava entre eu e ela.

Quando me levantei para ir aos lavabos tropecei e logo os meus companheiros anularam a queda.

– Temos que ir embora – conferiram quando se aperceberam da minha embriaguez.

– Não, preciso ficar com ela – disse convicto.

Quando voltei dos lavabos ziguezagueando eles ficaram convencidos que precisavam de me acompanhar à casa.

Ainda vociferei para desencoraja-los, mas eles não se deixaram intimidar, ampararam-me lado a lado e forçaram-me a sair.

Mas antes de abandonar o local gritei:

– Amo-te Stella Artois.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos