O País – A verdade como notícia

“A internet deve optimizar os recursos”, Cabral Pinto

“Internet of everthing” (Internet das coisas) é o tema proposto a debate esta tarde, no Centro de Conferências Joaquim Chissano, em Maputo. No entanto, mesmo em jeito de introduzir a discussão, Filipe Cabral Pinto, Consultor Senior da Altice Labs, de Portugal, subiu ao palco de MozTech para “profetizar” o que será a internet nos próximos tempos.

Muito exaustivo na sua explanação, Filipe Cabral Pinto afirmou que a internet das coisas vai permitir a optimização dos recursos, a diminuir o tempo necessário de trabalho e a criar condições para que os utentes tomem decisões mais acertadas. “A internet das coisas vai influenciar a sociedade e ser impactante em todos domínios da acção”, vaticinou Consultor Senior da Altice Labs.

Ora, porque o auditório da sala de conferência bem concorrida estava mesmo disposto a informar-se, Cabral Pinto acrescentou que com a internet das coisas, e com a velocidade interventiva daí resultante, pode-se deixar de ter uma cadeia para se conquistar uma rede de valores que garanta surgimento de novos negócios. Essa possibilidade, deverá despertar interesses dos novos intervenientes da área tecnológica e dos operadores das telecomunicações, o que deverá resultar num ecossistema necessário para optimizar negócios.

Cabral Pinto é apologista da ideia de que, além da conectividade, actualmente, está-se num mundo em que o negócio gera-se pelo fornecimento de serviços a empresas e gestão, por exemplo, dos aplicativos/aplicações a aparelhos como telemóveis, tudo com inovação e imaginação. Tal cenário acontece porque “a sociedade quer mais inteligência e poupar nos seus recursos. Para que essa necessidade vinque, há um conjunto de requisitos a dar respostas. “O operador de telecomunicações pode e deve potenciar criação de ecossistema que gera fonte de riqueza. Para o efeito, operador de telecomunicações deve procurar parceiros para preencher, por exemplo, os conhecimentos da área do negócio que não possui”, sugeriu, sem deixar de antever que a internet das coisas será mais utilitária no futuro, resolvendo cada vez mais os problemas das pessoas ligados ao quotidiano.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos