O País – A verdade como notícia

“A cultura é que coloca o negro dentro do Brasil como nação”

O escritor brasileiro Paulo Lins esteve no país pela primeira vez, mês passado. Durante a visita, Lins cedeu uma entrevista, na qual explica como começou a escrever. Mais do que isso, o escritor fala sobre a condição do negro no Brasil, da importância da cultura para a sua integração na nação brasileira e do que julga ser liberdade: “Eu acho que liberdade seria você respeitar a sua prisão”.

 

Paulo Lins, há uma resposta para a pergunta por que escreve?

Primeiro, comecei como brincadeira, porque, quando era criança, ouvia muitas estórias dos meus pais e tios, numa altura em que não tínhamos televisão, esse aparelho era muito restrito a uma classe social com dinheiro. Então, à noite, os mais velhos contavam estórias para os mais novos. E eu tentava reescrever as estórias que ouvia. Era uma brincadeira que fazia durante o dia. Quando a noite chegasse, lia a mesma estória para as pessoas que me tinham contado. Depois passou para necessidade. Quando tivesse um sofrimento ou alegria extrema, escrevia para botar para fora, como terapia. A seguir passou para o acto político, porque escrever também é um acto político-social. Comecei a escrever juntando estes três elementos: a brincadeira, a necessidade e a questão política. Depois disso, a escrita passou a ser minha profissão. O meu ofício é escrever.

 

Lendo seus livros, a pergunta impõe-se: é daqueles autores que melhor acontece quando há conflitos?

Os conflitos são bastantes estimulantes. É deles que a gente vive, para os resolver depois. Na verdade, a gente vive resolvendo conflitos. E, na literatura, podemos resolver o conflito socialmente, mas, quando os descrevemos, botamos tudo para fora. E comigo é assim.

 

No seu livro, Desde que o samba é samba, procura resgatar momentos da cultura brasileira. Esses momentos estavam perdidos?

Há muita coisa da cultura africana no Brasil que não foi comentado nem na História, na Antropologia e em nenhuma ciência, muito menos na literatura. Para o negro fazer parte da cultura da nação do Brasil pós-escravidão foi muita luta, muita guerra e houve muita morte por isso. As pessoas falam muito sobre o samba, dança com matriz africana, mas ninguém sabe como aconteceu, quantas pessoas morreram para implementar a cultura. O negro devia entrar para a sociedade brasileira através do trabalho, da produção, mas consegue entrar por via da cultura que tentaram aniquilar. A cultura é que nos coloca dentro do Brasil como nação. 

 

Como foi lidar com os resultados das pesquisas sobre a inserção do negro durante a escrita do livro?

A pesquisa é mais difícil do que escrever, mas eu tinha muitos relatos. O samba foi criado há 100 anos, eu tenho 60, consegui conviver com alguns inventores desse ritmo. A pesquisa foi imensa, conversei com muitos sambistas e Martinho da Vila foi uma das pessoas que me deu muita dica para escrever. O que não tinha era o registo da fala da época (1928, 1929, 1930 e 1931), não tinha a linguagem coloquial. Aí tive de inventar palavras na linguagem de rua. Só tinha a linguagem culta. Tive de buscar palavras possíveis dentro da língua portuguesa.

 

O desafio foi ficcionar o samba apenas…

Não necessariamente. Nasci no mesmo lugar onde nasceu o samba. Tenho vantagem de ter convivido com alguns dos personagens que eu escrevo. Eu vi o Ismael Silva, que é o grande inventor do samba; Noel Rosa eu peguei um pouquinho antes dele morrer; depois participei na escola de samba. A minha vida é no samba e no samba eu me criei.

 

Quando começa os seus livros?

Quando não dá mais para não fazer nada. O começo é muito difícil. O começo e o fim. Quando a gente vai escrever um roteiro para um filme, trabalha com muitas pessoas, mas nunca a estória é sua, nunca é você que produziu aquela estória. Sempre é uma encomenda de uma pessoa que quer fazer o filme. Agora, o livro Desde que o samba é samba pensei nele antes de Cidade de Deus. Depois de Cidade de Deus, comecei a escrever Desde que o samba é samba, que é um projecto meu. A Cidade de Deus não é um projecto meu. É um projecto que começa na universidade dentro de um projecto de pesquisa antropológica. Eu era assistente de pesquisa e comecei a trabalhar nela entrevistando pessoas ligadas à criminalidade no bairro onde me criei. Aí surgiu a ideia de escrever alguma coisa sobre aquilo que estava pesquisando. E a minha pesquisa começa com os livros, que é mais fácil, basta comprar numa livraria. Depois vou para os museus, institutos, e, por fim, vou ter com as pessoas que viveram ou que têm algum conhecimento sobre o que estou produzindo. Finalizadas essas três fases, com pesquisa pronta, perfeita para mim, começo a escrever.

 

É um autor comprometido com a liberdade. Como pensa na liberdade num mundo cheio de tantos preconceitos?

É difícil! Na verdade, a liberdade é uma coisa de ficção, não existe.

 

É utópico?

É utópico. A gente está preso na língua, para começar, porque a própria língua é uma prisão. A liberdade que eu penso, hoje em dia, é tolerância. Não precisamos que uma pessoa mate outra porque é de religião ou raça diferente. Eu acho que liberdade seria você respeitar a sua prisão. Seria isso… E respeitar a prisão dos outros.

 

O que lhe ocorre dizer sobre a visita a Moçambique?

Nós precisamos da aproximação do Brasil a Moçambique e a África, para voltarmos às raízes e termos essa ligação. Eu vim muito pensando nesse regresso ao colo da mamãe.

 

Perfil

Paulo Lins nasceu a 11 de Junho de 1958, na cidade de Rio de Janeiro, no Brasil. É escritor e escreve guiões para filmes. Fez parte do grupo Cooperativa de Poetas e publicou seu primeiro livro de poesia, “Sobre o Sol”, em 1986. Em 1997, Lins publicou Cidade de Deus, livro levado para o cinema por Fernando Meirelles e Kátia Lund, premiado no Festival de Cinema de Londres e que recebeu quatro indicações para o Oscar em 2004. Mês passado, participou na Feira do Livro de Maputo.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos