O País – A verdade como notícia

40 anos de carreira, mesmo propósito: artes plásticas

Já lá vão quatro décadas, desde que P Mourana começou a viagem pelo universo das artes plásticas. Para assinalar a rara efeméride, o pintor da Liberdade, natural da cidade de Maxixe, vai promover as suas obras e o seu imaginário em exposições individuais, em Maputo, nos próximos meses.

As actividades de P Mourana vão iniciar em Março, mas prevê para Junho um momento especial da comemoração dos seus 40 anos de carreira artística. A essa altura, portanto, daqui a seis meses, Mourana vai apresentar ao público a exposição Retrospectiva, na qual, depois de seleccionar as obras produzidas ao longo dos anos, irá reconfigurar o trajecto criativo por si percorrido. A ideia é que os apreciadores das artes em geral e da sua em particular possam compreender por que metamorfoses passou o autor que continua a amar a magia das cores com o mesmo fervor.

A primeira exposição de P Mourana realizou-se em 1979, com Vítor Malate, na altura em que tirava o curso de professor. Entre fantasias e determinação, as imagens da criatividade não foram sempre feitas de cor-de-rosa. Longe disso. Como em tudo, o artista enfrentou momentos menos conseguidos. Dos mais complicados, destaca os anos da década de 80, em que teve falta de material e de oportunidades para se apresentar em exposição. “Veja que, depois da minha primeira exposição, em 1979, só reapareço numa individual em 1993. Aqueles foram anos mais complicados e mais difíceis porque no país também existia uma forma de exclusão dos artistas mais novos, que apareciam com novas temáticas. Agora é diferente. Jovens aparecem espontaneamente e logo recebem apoio, desenvolvem-se e vão crescendo. Antes não era assim”

De acordo com P Mourana, as artes plásticas no país estão com boa qualidade, pois os artistas têm conseguido aprofundar mais conhecimento. Nisso, “penso que a Escola Nacional de Artes Visuais tem ajudado muito na prospeção de jovens artistas. Agora ficou mais fácil organizarmos uma exposição colectiva sem recorrermos sempre às mesmas pessoas. Temos novos valores”. O que não deve faltar, diante da qualidade aparente, é trabalho e organização, mesmo porque o público moçambicano tem ficado mais exigente. Assim sendo, Mourana avança com uma recomendação: “o artista não faz aquilo que é comum, faz algo especial em relação à maioria. Não basta só pegar o pincel e pintar. Uma obra de arte deve ter alma, mexendo com as pessoas”. 

Uma das coisas que mais marcou a carreira artística de P Mourana foi a colaboração com a BDQ Concertos, que lhe permitiu expor suas obras durante a realização de espetáculos musicais de dimensão internacional. “Sempre tive esse projecto de fazer uma exposição de um dia, num espectáculo, unindo a música às artes plásticas. Foi um grande desafios este de colocarmos espectadores a contemplarem telas num evento em que no palco estavam nomes como George Benson ou Richard Bona. Mas nós conseguimos fazer isso com êxito. Isso marcou-me muito nesses quarenta anos que pretendo celebrar durante todo 2019”.

 

A SÍNTESE DE UM TRAJECTO

P Mourana é nome artístico de Pedro Mourana. Nasceu a 14 de Setembro de 1961, na cidade de Maxixe, Inhambane. Desde tenra idade interessou-se pelo desenho. A sua obra exalta o amor, a música e temas ligadas ao meio ambiente. Interessa-se muito no diálogo entre artes plásticas e música. Ilustrou livros de banda desenhada, no Instituto Nacional do Livro e do Disco; ganhou concurso para elaboração do logotipo da CNE. Já expões em seis individuais e em mais de 20 colectivas. Além da BDQ Concertos, conta com apoio da Fundação Sérgio Gago.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos